Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Conduta discriminatória: Nestlé Brasil Ltda. é indenizada ao pagamento de danos morais coletivos por consultar situação creditícia de candidatos

Ao julgar o recurso de revista RR-1170-75.2010.5.02.0066, a 2a Seção do Tribunal Superior do Trabalho restabeleceu a sentença que condenou a Nestlé Brasil Ltda. por danos morais coletivos em razão de ter realizado consultas prévias a serviços de restrição de crédito acerca de candidatos para vagas de trabalho.

De acordo com entendimento do colegiado, trata-se de conduta discriminatória, tendo em vista que a situação creditícia do candidato não guarda qualquer relação com suas qualidades ou habilidades profissionais.

Conduta discriminatória

O Ministério Público do Trabalho ajuizou ação civil pública com base em inquérito instaurado a partir de denúncia trabalhista sigilosa.

Após evidenciada a legitimidade das denúncias, uma representante da Nestlé sustentou que as pesquisas não possuíam caráter eliminatório, ao argumento de que eram realizadas somente para os candidatos pré-selecionados, aprovados em entrevista, ao exibirem os documentos admissionais.

Ao analisar o caso, o juízo de origem aduziu que a conduta da empresa configurou abuso de direito, invasão de privacidade e violação de intimidade dos candidatos, mostrando-se discriminatória.

Diante disso, ao reconhecer o dano moral coletivo, o magistrado de primeiro grau condenou a requerida ao pagamento de R$ 100 mil, a ser encaminhado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador.

Danos morais coletivos

Após recurso da Nestlé, o Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo consignou que a pesquisa nos órgãos de proteção ao crédito não consistia em fator eliminatório.

Segundo entendimento do TRT-2, a empresa não é obrigada a ser surpreendida por eventuais ilícitos praticados por seus candidatos e, assim, afastou a decisão de indenização por dano moral coletivo.

Para o ministro José Roberto Pimenta, relator do recurso de revista interposto pelo Ministério Público do Trabalho, a conduta perpetrada pela empresa foi discriminatória.

Conforme sustentou o relator, a consulta aos órgãos de proteção ao crédito não se destina à consulta prévia de empregado a ser contratado.

Assim, ao restabelecer a condenação por danos morais coletivos, o ministro ressaltou que o entendimento jurisprudencial do TST possui entendimento no sentido de que essa consulta prévia caracteriza ato ilícito, justificando reparação à coletividade.

O voto do relator foi acompanhado por unanimidade pelos demais membros do colegiado.

Fonte: TST

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.