Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Comissão vai discutir o impacto das falas do ministro da Educação contra educação inclusiva

Na próxima sexta-feira, dia 15 de outubro, a Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados irá discutir as falas do ministro da Educação, Milton Ribeiro, contra a educação inclusiva. De acordo com a Agência Câmara de Notícias, o debate será feito em uma audiência pública. 

A audiência, marcada para começar às 14h, visa debater os impactos das afirmações discriminatórias feitas pelo ministro. 

Deputadas citam falas discriminatórias do ministro 

A proposta do debate foi feita pelas deputadas Erika Kokay (PT-DF) e Maria do Rosário (PT-RS). As deputadas relembraram frases ditas pelo chefe do Ministério da Educação (MEC) em entrevista ao programa “Sem Censura” da TV Brasil.

Na ocasião, Ribeiro afirmou que  “a criança com deficiência é colocada dentro de uma sala de alunos sem deficiência. Ela não aprendia, ela ‘atrapalhava’ – entre aspas, essa palavra eu falo com muito cuidado – ela atrapalhava o aprendizado dos outros, porque a professora não tinha equipe, não tinha conhecimento para dar a ela atenção especial”.

Além disso, o ministro também chegou a afirmar que a “universidade deveria, na verdade, ser para poucos”. Em outra ocasião, em entrevista a um programa da Rádio Jovem Pan, ele reforçou sua posição de que algumas crianças com deficiências, como a síndrome de Down, “não têm condições de conviver ali [na sala de aula]”.

De acordo com as deputadas, é preciso debater as falas do ministro porque elas não refletem apenas uma opinião sem efeito. “Quando proferidas [por um ministro de Estado], ganham o peso e relevância de sua autoridade”, afirmaram as deputadas.

Além das deputadas, estará presente no debate a orientadora educacional e doutora em Educação Andreia Colares, entre outros especialistas.

De acordo com a Agência Câmara de Notícias, o público poderá acompanhar o debate ao vivo e de forma interativa por meio do e-Democracia.

Com informações da Agência Câmara de Notícias.

Gostou do texto? Então deixe aqui o seu comentário!

Leia também MEC lança ferramenta que avalia nível de aprendizagem dos alunos.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.