Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica colocam cargo à disposição

Os comandantes militares das três forças armadas brasileiras decidiram colocar seus cargos à disposição do novo ministro da Defesa, general Walter Braga Netto.

Em reunião realizada no início da madrugada desta terça-feira (30), os militares discutiram uma possível renúncia conjunta aos cargos, como reação à saída do ex-ministro da Defesa.

Após algumas negativas de apoio político ao governo federal, Fernando Azevedo e Silva confirmou o seu desligamento da pasta na tarde da última segunda-feira (29).

A amplitude na reforma do governo atual surpreendeu a todos e outros 5 ministros tiveram a sua titularidade alternada nas últimas 24h.

Desgastes entre Bolsonaro e Azevedo e Silva

Com a insistência do Presidente Jair Bolsonaro na busca por apoio do Exército para aplicar medidas de exceção, a relação com o ex-ministro da defesa chegou ao seu limite.

Não foi a primeira vez que Azevedo e Silva se recusou a se aproximar dos aliados de Bolsonaro egressos das carreiras militares.

A ausência de apoio político das Forças Armadas ao governo federal é notória, mesmo com o Presidente trabalhando para manter benesses à categoria.

Através de seu comunicado oficial, Azevedo e Silva não deixou claro se foi demitido, mas ressaltou que buscou preservar as Forças Armadas como instrumento de estado.

A declaração parece alertar para uma possível tentativa de instrumentalização das Forças Armadas por parte do atual governo.

Possível renúncia conjunta

Conforme a jornalista do “O Globo”, Malu Gaspar, já havia antecipado na noite da última segunda-feira (29), os comandantes das forças armadas discutiram a renúncia de seus respectivos cargos.

O combinado entre os três comandantes, que se encontraram anteriormente com Azevedo e Silva, era entregar os cargos conjuntamente.

O recém-nomeado ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, pediu para que eles esperassem e se encontrassem nesta terça-feira (30).

A eventual renúncia conjunta dos chefes das Forças Armadas Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica), seria algo inédito na história da República.

Até o presente momento, a sensação que fica é de que os militares querem dar um recado a Braga Netto de que não aceitarão ser utilizados por Bolsonaro em uma eventual iniciativa golpista.

Santos Cruz cobra satisfações do governo

O ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo do presidente Jair Bolsonaro, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, afirmou que o governo precisa dar explicações urgentes à população.

Com a mudança no Ministério da Defesa, Santos Cruz considera fundamental que o governo se manifeste imediatamente com relação às mudanças anunciadas:

“A partir do momento que não se tem tranquilidade, não se tem paz social, não se tem liderança e se vive em um ambiente de notícias falsas, fica muito difícil traçar um diagnóstico do que representa a saída do ministro Fernando Azevedo e Silva”.

Assim como o ministro Azevedo e Silva, o general Carlos Alberto dos Santos Cruz também se recusou a se associar à ala ideológica de Bolsonaro e seus principais apoiadores.

Com a ameaça de crise militar instalada, na próxima quarta-feira (31) se completam 57 anos do golpe militar de 1964.

Há um ano, Bolsonaro se referiu ao aniversário como sendo “o dia da liberdade”.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.