Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Cadastro positivo entra em vigor com juros menores para bons pegadores

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancionou, sem vetos, a lei que altera as regras para a inclusão de consumidores no cadastro positivo, banco de dados que reúne informações de consumidores (física e jurídica) com um bom histórico de pagamentos, contrapondo-se aos famosos cadastros negativos (como Serasa e SPC). A vantagem da nova lei é que o consumidor poderá garantir crédito mais barato e fácil. 

A proposta havia sido colocada entre as prioridades do governo do ex-presidente, Michel Temer, mas só foi aprovada em definitivo pelo Congresso em março deste ano. A origem da nova lei teve origem no Senado, foi modificado pela Câmara e precisou passar por uma análise dos senadores.

A legislação anterior estabelecia que a inclusão do nome dos chamados “bons pagadores” no cadastro só poderia ser feita com autorização expressa e assinada do cadastrado. Segundo o projeto aprovado pelo Congresso, será estendido também para o cadastro positivo, a mesma regra do cadastro negativo: as instituições financeiras terão autonomia para incluir, automaticamente, informações no sistema sem autorização específica dos clientes. De acordo com o projeto, o consumidor poderá pedir para retirar o nome do banco de dados.

A desvantagem da lei, para alguns críticos, é que não se sabe o que será feito com os dados do cliente. Além disso, para eles, os nomes serem incluídos automaticamente numa lista fere o Código de Defesa do Consumidor.

Sobre o cadastro positivo

 A Lei do Cadastro Positivo entrou em vigor em agosto de 2013. No entanto, a adesão foi bem menor que o previsto. Atualmente, a inclusão na ferramente é opcional, e quem quiser entrar precisa solicitar para ser incluído.

Com aprovação do novo projeto, a modificação faz com que os consumidores com bom histórico de dívidas sejam incluídos automaticamente. É importante lembrar que a participação no cadastro positivo não é obrigatória, ou seja, quem não quiser fazer parte pode pedir para sair.

As empresas que coletam informações são especializadas em análise de crédito, as conhecidas Serasa, Boa Vista e SPC. Hoje, instituições compartilham as informações com varejistas, financeiras e bancos, que vão avaliar se concedem crédito e sob quais taxas de juros, conforme capacidade de pagamento dos clientes. Principais pontos do cadastro:

  1. Cadastro/Divulgação: lei prevê que os responsáveis pelo banco de dados podem compartilhar as informações com empresas e bancos;
  2. Nota de crédito: pessoas com contas em dia receberão pontuação
  3. Comunicação: a pessoa que foi adicionada no cadastro deve ser comunicada da inclusão e dos canais disponíveis para sair do banco de dados em até um mês;
  4. Saída do cadastro: cancelamento e reabertura do cadastro somente serão feitos com um pedido do próprio consumidor. Lei prevê que o gestor terá até dois dias úteis para atendimento do pedido;
  5. Acesso aos dados: o consumidor poderá ver seu histórico e pontuação e pedir que informações erradas sejam corrigidas em até 10 dias;
  6. Proteção de dados: o projeto determina que a quebra do sigilo bancário pode levar a prisão de um a quatro anos.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

1 comentário
  1. Mari Martins Diz

    Como podemos ser bons pagadores sem emprego assim fica difícil para os brasileiros que estão Ah anos sem trabalho né senhor presidente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.