Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Bolsonaro fala sobre a saída de Paulo Guedes

O presidente Jair Bolsonaro ( sem partido) negou que o ministro da Economia, Paulo Guedes não permanecerá no governo. Mesmo com quatro secretários abandonando o barco, o parlamentar deve continuar a frente da estratégica pasta.

“Paulo Guedes continua no governo e o governo segue com a agenda de reformas. Defendemos as reformas, que seguem no Congresso Nacional”, defendeu Bolsonaro em entrevista a CNN na noite de quinta-feira, 21 de outubro.

No mesmo dia, o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram para deixar os cargos. Acompanhando os dois, a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, também pediram exoneração.

Informações dão conta que a decisão aconteceu porque os secretários não concordavam com os valores de R$ 400 para o novo Bolsa Família, mas sim de R$ 300. Com pressão política e o ano de eleições batendo a porta, Guedes foi levado por uma ala que pressionava pelo valor maior. Além disso, a PEC dos Precatórios também poderia ser motivadora.

Paulo Guedes inclusive chegou a falar na possibilidade de furar a lei do teto de gastos, por meio da solicitação de um “waiver” (perdão temporário) . “Como nós queremos essa camada de proteção para os mais frágeis, nós pediríamos que isso viesse como um waiver, para atenuar o impacto socioeconômico da pandemia. Estamos ainda finalizando, vendo se conseguimos compatibilizar isso”, declarou Guedes.

Com esta declaração, o mercado reagiu, sendo que no mesmo dia, o dólar aumento para quase R$ 6 e a Bovespa caiu para 2,75%.

Paulo Guedes, novo Bolsa família e auxílio transitório

O novo Bolsa Família já prometido pelo ministro, Paulo Guedes, e por outros membros do governo, deve ficar em R$ 400 para as famílias em extrema pobreza e aumentar 20% para aquelas em pobreza. Os valores considerados pobreza e extrema pobreza não foram considerados no texto e ainda podem ser alterados.

Hoje é considerado extrema pobreza que recebe até R$ 89 por pessoa e pobreza que tem renda per capita entre R$89,01 a R$ 178. Porém, como já dito, os valores podem aumentar, já que ainda não foram definidos pela PEC.

Em paralelo a isso, o governo também estuda o lançamento de um “auxílio transitório”. Os valores seriam pagos para pessoas que não terão direito ao novo Bolsa Família, mas hoje recebem o auxílio emergencial.

Para sair do papel, ambos os benefícios precisam ser pagos ainda em 2021, em 2022 a legislação eleitoral não autoriza lançamentos como estes. Mesmo assim o novo Bolsa Família pode ser adiado da promessa inicial – confira clicando aqui. 

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.