Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Birôs de crédito: como eles fazem o cálculo do score?

Entender esse processo pode ser importante para controlar sua pontuação

Talvez você não saiba exatamente o que são os birôs de crédito. Contudo, certamente já ouviu muito falar no Serasa e SPC, não é? Ambos são bons exemplos do que é birô. Ou seja, empresas que trabalham disponibilizando as informações acerca do comportamento financeiro e do score de crédito dos cidadãos. Quer entender como eles fazem esse trabalho e como calculam a pontuação? Então, leia toda a matéria de hoje (30).

Birôs de crédito: como eles atuam no mercado?

Birôs de crédito são as empresas fornecedoras de informações acerca do comportamento do crédito dos cidadãos. Ou seja, com esses dados, outras instituições podem fazer análises precisas dos perfis dos clientes para possíveis concessões de créditos, tais como financiamentos, empréstimos, entre outros produtos e serviços financeiros.

Primeiramente, os birôs coletam as informações junto aos credores e fontes públicas, tendo acesso ao histórico de crédito do consumidor ou de quem realiza a solicitação de crédito. São várias as fontes consultadas: empresas de cartões de crédito, bancos, redes varejistas, entre outras.

Primeiramente, os birôs coletam as informações junto aos credores e fontes públicas, tendo acesso ao histórico de crédito do consumidor ou de quem realiza a solicitação de crédito
Primeiramente, os birôs coletam as informações junto aos credores e fontes públicas, tendo acesso ao histórico de crédito do consumidor ou de quem realiza a solicitação de crédito – Foto: Serasa

Dessa forma, os birôs compilam esses dados de pessoas físicas e jurídicas e os divulgam para as instituições interessadas. Os registros são diversos: vão desde informações sobre pagamento de empréstimos e pendências judiciais até possíveis falências.

As informações sobre o histórico de crédito são divididas em duas categorias:

  • informações negativas – Contemplam possíveis inadimplências, disponibilizando a data do último pagamento realizado pelo consumidor. Ao quitar o débito, a informação sobre inadimplência é excluída do cadastro;
  • Informações completas – Os birôs apresentam relatórios que mostram todo e qualquer tipo de informação existente no histórico de crédito do consumidor. Disponibilizam as contas de crédito abertas e fechadas por ele com detalhes sobre o limite de cada uma delas, bem como a realização ou não dos pagamentos. Se o tomador de crédito se tornar inadimplente, a informação permanecerá no sistema mesmo depois da dívida ser devidamente quitada.

Por que os birôs são importantes?

A atuação dos birôs de crédito é muito importante, pois eles ajudam a trazer mais transparência para a relação credor-consumidor, utilizando informações que melhoram a tomada de decisão de crédito, reduzindo a inadimplência.

Enfim, é a partir do trabalho dos birôs que as instituições financeiras decidem entre manter ou aumentar os níveis de empréstimo. Ademais, os birôs também ajudam a reduzir as taxas de inadimplência de uma maneira geral. Isso contribui para que as instituições financeiras cobrem juros menores nos empréstimos.

Adicionalmente, os birôs também são importantes para comércios varejistas e empresas em geral, pois eles ajudam a minimizar os impactos trazidos pela inadimplência. É por esse motivo que muitos consideram que os birôs de crédito ajudam na manutenção da economia, controlando os níveis de inadimplência da sociedade em geral.

A notificação sobre os atrasos de pagamento feita pelos birôs de crédito permite que os consumidores entrem em contato com os credores para negociar as dívidas em atraso. Portanto, como há redução de taxas e outros benefícios que tornam esse processo menos burocrático, favorecem a estabilidade financeira dos consumidores.

Cadastro Positivo

Em 2019, houve uma alteração na lei que regulamenta o setor. Com a adoção da Lei Complementar 166, alguns pontos da Lei do Cadastro Positivo (12.414/2011) foram modificados.

Todavia, o que mudou, basicamente, foi a maneira como os consumidores são incluídos nesse cadastro. Antigamente, para que houvesse a inclusão no Cadastro Positivo, era preciso um requerimento expresso dos próprios titulares. Agora, a inclusão é automática e obrigatória, mas acontece o contrário, os portadores de CPF e CNPJ podem requerer, gratuitamente, que os seus dados sejam excluídos das plataformas de consulta.

O Cadastro Positivo também é gerido pelos birôs de crédito, mas com intuito diferente: reunir informações sobre os bons pagadores. Desde 2011, ano da criação do Cadastro Positivo, o número cadastrado era muito baixo. Na expectativa de que mais pessoas usarem o sistema, alterou-se a lei.

A ideia do Cadastro Positivo é promover uma análise de crédito personalizada, e com isso, bancos e instituições financeiras acreditam que as taxas de juros podem cair, pois será possível analisar melhor o risco de eventuais calotes.

Compartilha-se os dados fornecidos para o Cadastro Positivo com todos os birôs de crédito. Contudo, o que é diferente é o peso dado a essa informação, pois cada birô de crédito possui algoritmos próprios para o cálculo e composição do seu score de crédito. De acordo com a lei, o Cadastro Positivo somente poderá usar informações com objetivo de avaliar o risco de um calote.

As últimas considerações

Em suma, os birôs são empresas que compilam uma série de informações financeiras e de crédito de consumidores e de pequenas empresas. Obtém-se esses dados de diferentes fontes, como bancos, operadoras de cartão, concessionárias públicas, varejistas, etc.

Atualmente, existem os tradicionais registros dos clientes negativados, ou seja, que guardam dados de clientes com débitos em atraso. Há também o Cadastro Positivo, que dispõe de uma pontuação para cada consumidor e favorece os bons pagadores.

Por fim, cabe ressaltar que os birôs de crédito são importantes de diferentes maneiras: eles auxiliam empresas de crédito a fazer uma análise mais justa de cada consumidor (reduzindo os juros e taxas de empréstimos e financiamentos, por exemplo), e os consumidores a conseguirem renegociar suas dívidas e a melhorar sua saúde financeira.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.