Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Auxílio Brasil: Entenda melhor a aprovação da PEC dos Precatórios

Votação da PEC pode representar um aumento do orçamento do Auxílio Brasil, dentre outras determinações.

Por 323 a 172 e uma abstenção, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) dos Precatórios teve aprovação em segundo turno na Câmara dos Deputados. O que isso significa para o Auxílio Brasil?

Primeiramente, na aprovação da noite da última terça-feira, 09 de novembro, todos os destaques e do segundo turno foram rejeitados, ou seja, não houve qualquer mudança. Então, o texto agora encaminhará ao Senado Federal, a fim de passar por uma nova análise. 

Com um número maior de deputados na sessão, 496 parlamentares, a votação do segundo turno teve um placar mais frouxo para o atual governo em comparação com a primeira votação, na última quinta-feira, 04 de novembro.  

Nesse sentido, durante a votação do primeiro turno, a PEC obteve somente quatro votos acima do valor mínimo de 308 votos para a aprovação. Assim, a proposta é encarada como o principal caminho para que a gestão consiga implementar o Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família. 

O que a PEC possibilita?

No geral, a PEC flexibiliza o pagamento dos precatórios, que são dívidas judiciais da União. Ademais, a proposta também altera o fator de correção do processo de cálculo do teto de gastos. Isto é, regra que estabelece que os gastos públicos não podem ser maiores do que a variação da inflação. 

Com a aprovação da proposta, o Governo Federal espera conseguir cerca de R$ 90 bilhões para o próximo ano, ou seja, ano eleitoral. Contudo, isto é visto por diversos especialistas como uma forma de burlar o teto de gastos. Além disso, muitos integrantes do setor econômico e diversos parlamentares classificam a medida como eleitoreira. 

Durante o processo de votação do texto em primeiro turno, o presidente da Casa, deputado Arthur Lira, se emepnhou para garantir que a proposta obtivesse a aprovação. O deputado, então, permitiu que deputados em missão especial realizassem seus votos de forma remota. Em conjunto, também efetuou uma alteração no relatório sem que a mesma passasse pela comissão especial necessária.

A regra de ouro

Antes que a votação da proposta em segundo turno tivesse início, os deputados analisaram oito destaques, dos quais sete foram rejeitados. A única aprovação ficou para a derrubada de um dispositivo que permitia que a gestão descumprisse a regra de ouro por meio de autorização na Lei Orçamentária Anual (LOA).

A regra de ouro, que é prevista pela Constituição Federal, possui a finalidade de evitar o descontrole das contas públicas. Assim, a regra estabelece que o governo não pode contrair dívida para realizar o pagamento de despesas recorrentes, como benefício previdenciários e salário de servidores públicos. 

Portanto, para descumprir a norma, o governo necessita da autorização do Congresso Nacional.

O que os recursos da PEC irão pagar?

O Governo Federal espera que a aprovação da PEC dos Precatórios consiga liberar mais de R$ 90 bilhões para o próximo ano, dos quais: 

  • R$ 44,6 bilhões do limite para o pagamento das dívidas judiciais do governo federal, ou seja, os precatórios.
  • R$ 47 bilhões através da mudança no fator de correção do teto de gastos, que também está na mesma PEC.

Desse modo, de acordo com o Ministério da Economia, os recursos servirão como:  

  • Principal fonte de recursos financeiros do Auxílio Brasil, que deve tomar cerca de R$ 50 bilhões dessa folga orçamentária.
  • Reajuste dos benefícios vinculados ao salário-mínimo.
  • Aumento de outras despesas consideradas obrigatórias.
  • Custos com a campanha de vacinação contra a Covid.
  • Vinculações do teto aos demais poderes e subtetos.

De acordo com técnicos do Congresso Nacional e parlamentares de oposição, o espaço fiscal que a PEC proporcionará poderá englobar recursos para deputados no próximo ano, período eleitoral.

No entanto, até o momento, estes recursos estão suspensos por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), que interrompeu o chamado “orçamento secreto” presente no Congresso.

Dessa forma, a divisão dos recursos obtidos por meio da aprovação da PEC apenas terá definição durante a votação do Orçamento do próximo ano.

Porque alguns chamam a PEC dos Precatórios de PEC do Calote?

O Governo Federal vem se empenhando para aprovar a PEC dos Precatórios com a justificativa de arcar com o Auxílio Brasil. Contudo, alguns parlamentares discordam da medida.

Para conseguir espaço fiscal no Orçamento do próximo ano para implementar o Auxílio Brasil, a PEC dos Precatórios estabelece um teto de gastos de R$ 40 bilhões anuais. Isto é, que se destina para o pagamento de dívidas. Assim, a proposta limita o pagamento de despesas até o valor do teto até o ano de 2036.

Por esse motivo, caso a gestão ultrapasse o valor do teto anual, as dívidas só serão pagas com o Orçamento do próximo ano. De acordo com especialistas do setor econômico e parlamentares de oposição, isso significa que poderá gerar uma espécie de “bola de neve” de acúmulo de dívidas. Dessa forma, chama a medida de PEC do Calote.

Presidente do Senado diz que viabilização do Auxílio Brasil precisa ser urgente

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, se manifestou durante a última terça-feira, 09 de novembro. De acordo com ele, existe certa urgência para definir qual será a fonte de recursos que permitirá a implantação do Auxílio Brasil. A declaração do parlamentar ocorreu horas antes da votação da PEC dos Precatórios em segundo turno na Câmara dos Deputados.

“A Câmara acaba por trazer novos elementos sobre a antecipação das mudanças no teto de gastos públicos para 2021, considerando a pandemia, e o Senado vai avaliar se é um mecanismo justo, adequado às regras de mercado e se é bom neste momento para garantir o pagamento dos precatórios e o programa social”, relatou Pacheco em entrevista à CNN em Glasgow, na Escócia, durante a COP26.

“Se eventualmente algum problema houver, alguma alternativa terá que ser dada pelo governo e pelo Congresso relativamente ao programa social”, completou o senador sobre a possibilidade de derrubada da PEC dos Precatórios pelo STF.

Por fim, em relação à decisão da ministra Rosa Weber sobre o orçamento secreto, o parlamentar relatou que discorda da decisão da ministra do STF (Supremo Tribunal Federal). Na ocasião, a ministra defendeu a suspensão do pagamento de emendas de relator ao Orçamento da União.

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

3 Comentários
  1. Nicole Diz

    vou receber apenas 65,00 muita humilhação

  2. Oleudes Remijo Pacheco Diz

    To presando muito

  3. Oleudes Remijo Pacheco Diz

    Topresisando muito

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.