Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Aulas criativas: como ensinar matemática na cozinha

A experiência na cozinha está diretamente ligada à matemática. Uma receita culinária possui as quantidades certas dos ingredientes e entender essa proporção é fundamental para produzir um prato para um número maior ou menor de pessoas. 

Além disso, o cozinheiro também precisa administrar o tempo de preparo no fogo para que o alimento não queime, no forno para que asse corretamente ou na geladeira para que ele fique com a consistência desejada. 

Ademais, utensílios também possuem aspectos matemáticos. O copo medidor, por exemplo, auxilia nas conversões de unidades de medida, ajudando na mistura de ingredientes. 

A balança de cozinha pesa as porções, já o termômetro demonstra qual a temperatura ideal para realizar cada processo. 

É possível afirmar que os números são fundamentais para o resultado final na cozinha, afinal deve haver uma sintonia entre a utilização dos ingredientes, habilidade do cozinheiro e a matemática. 

Das dimensões às frações: a matemática de fazer um bolo

A forma para bolo também é um utensílio que possui características matemáticas. Como toda figura geométrica, tem até um centróide

Saber calcular as suas dimensões é importante para escolher o modelo correto.

Na internet é possível achar tabelas que relacionam o tamanho e o modelo do utensílio com a quantidade de massa que será assada. 

Para seis xícaras, é indicada uma forma redonda com 20 centímetros de diâmetro e 5 centímetros de altura.

Mas se o modelo for retangular, as dimensões já mudam para 28 centímetros de largura, 18 centímetros de comprimento e 5 centímetros de altura. 

E se for quadrada, é recomendável que tenha 20 centímetros de comprimento e de largura e 4 centímetros de altura. 

Depois que o bolo é assado, a matemática continua. A divisão em fatias iguais é um exemplo prático dos estudos de fração. 

Gastronomia e a matemática nas escolas

Compreendendo a relação entre a gastronomia e a matemática como uma forma lúdica de envolver os estudantes, escolas passaram a realizar projetos com essa dinâmica.

Em 2019, antes da pandemia, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) divulgou reportagem que mostrava a experiência de 600 estudantes matriculados no ensino fundamental da Escola Maria Eugenia Lopes Gomes, localizada na cidade de Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, com o projeto “Gastromática”. 

Os alunos aprenderam conteúdos como fração e divisão, observando a realidade de preparos feitos na cozinha.

Iniciativa semelhante foi feita com alunos da Escola Estadual Plena Pedro Bianchini, localizada em Marcelândia, no Mato Grosso. Também antes da pandemia, a Secretaria de Estado de Educação divulgou informações sobre a experiência do projeto.

Todavia, a pandemia da Covid-19 e o ensino remoto têm dificultado a realização de atividades práticas. A expectativa é que, com o avanço da vacinação e o controle dos índices epidemiológicos, mais projetos permitam aos estudantes observar a matemática no dia a dia.

E então, gostou da matéria? Não deixe de ler também – Auxílio emergencial poderá ter mais cancelamentos nos próximos dias.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.