Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Atualidades: Níveis do ozônio tem aumentado no hemisfério norte 

Utilizando dados de aeronaves, os cientistas foram capazes de compreender o panorama geral dos níveis de ozônio

A pesquisa mostra que os níveis de poluição no hemisfério norte da Terra aumentaram nas últimas duas décadas. 

Chamado de ozônio troposférico, esse gás do efeito estufa e poluente do ar pode prejudicar os pulmões e causar danos severos às plantas. 

Os aumentos de ozônio aconteceram mesmo quando estabeleceram restrições mais rígidas que reduziram o gás na superfície em alguns lugares, como América do Norte e Europa.

Anteriormente, os pesquisadores se voltaram para os dados de satélite para capturar informações sobre o ozônio, mas não foram capazes de tirar conclusões firmes porque os resultados eram conflitantes.

Os cientistas não conseguiram chegar em uma conclusão se o ozônio estava aumentando ou diminuindo globalmente com o tempo. 

“Esse é um problema real, conhecendo os impactos que o ozônio tem sobre o clima, a saúde e a vegetação”, disse a pesquisadora principal Audrey Gaudel, cientista do Cooperative Institute for Research em Ciências Ambientais na Universidade do Colorado. 

Utilizando aeronaves

Não satisfeitos com os dados de satélite, os pesquisadores optaram por analisar as alterações do ozônio troposférico usando dados de aeronaves comerciais.

“Eles fornecem informações regionais, mas se houver regiões suficientes, podemos ter uma visão global”, disse Gaudel. 

“É disso que trata este estudo. Conseguimos cobrir o Hemisfério Norte e isso é significativo porque representa 88% das vidas humanas na Terra que potencialmente afetam ou são impactadas pela qualidade do ar que respiramos”, completou. 

Gaudel e sua equipe analisaram 34.600 perfis de ozônio capturados entre 1994 e 2016 por aeronaves comerciais. Eles publicaram seus resultados em um estudo na Science Advances.

“A principal conclusão é que nos últimos 20 anos o ozônio aumentou acima de todas as 11 regiões que analisamos. Agora sabemos com certeza que o ozônio está aumentando em todo o hemisfério norte. Além disso, as regiões com baixo nível de ozônio abaixo de 10-20 ppb (Indonésia / Malásia, Índia e Sudeste Asiático), não estão mais apresentando esses valores baixos. Toda a distribuição do ozônio mudou para valores mais altos “, disse Gaudel.

O aumento dos níveis de ozônio são preocupantes, sobretudo em regiões que estão tentando reduzir a poluição do ar. 

Em síntese, fica claro que os esforços locais para diminuição das emissões do poluente não estão sendo suficientes, o problema antes local, passa a ser local. 

Os pesquisadores descobriram que o ozônio diminuiu na “baixa troposfera” perto da superfície da Terra em algumas áreas, incluindo partes da Europa e América do Norte, onde as emissões de produtos químicos formadores de ozônio diminuíram. 

Mas os cientistas descobriram que essas diminuições foram compensadas por aumentos mais elevados na troposfera.

Os resultados do estudo apontam para a importância de áreas como regiões tropicais onde o ozônio não é regulamentado. 

E então, gostou da matéria? Não deixe de ler também – Para estudar já: 4 questões sobre efeito estufa e aquecimento global

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.