Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Arrecadação federal tem alta de 1,4% em relação ao ano anterior

A arrecadação federal atingiu R$ 157 bilhões em novembro de 2021. O número representa uma alta de 1,4% em relação ao ano anterior. Os dados foram divulgados na última terça-feira pela Secretaria da Receita Federal.

A análise da arrecadação das receitas federais constatou que no período acumulado de janeiro a novembro de 2021, a arrecadação alcançou o valor de R$ 1.684.913 milhões, representando um acréscimo pelo IPCA de 18,13%. Esse valor é o melhor desempenho arrecadatório desde 2000.

Para a  Receita Federal, a arrecadação neste ano de 2021 reflete a melhora na atividade econômica brasileira. Na medida em que aumenta-se as vendas de produtos e serviços, o governo aumenta a receita com tributos.

Destaques do mês de novembro

A análise divulgada pela Receita Federal constatou que o Imposto sobre Operações Financeiras teve uma arrecadação de  R$ 4.917 milhões, representando acréscimo real de 322,65%. O resultado citado anteriormente pode ser explicado pela restauração da tributação das operações de crédito durante o ano de 2021, onde a alíquota encontrava-se reduzida a zero.

O Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido fecharam o mês de novembro com uma arrecadação de R$ 25.252 milhões. Esse valor representa um acréscimo real de 12,12%.

A Cofins e o PIS/Pasep terminaram o mês de novembro com uma arrecadação conjunta de R$ 32.970 milhões, Nesse caso, houve um decréscimo real de 11,10%. Para a Receita Federal esse desempenho pode ser explicado pela prorrogação do prazo para o pagamento das contribuições em decorrência da pandemia de Covid-19.

Já a Receita Previdenciária teve uma arrecadação de R$ 41.649 milhões, com decréscimo real de 6,42%. Para a Receita Federal, o resultado pode ser explicado pelos diferimentos do prazo para pagamento do Simples Nacional e da Contribuição Previdenciária Patronal concedidos em 2020.

“É importante dizer que o desempenho de novembro de 2021 foi extraordinário por essa razão também. Não há essa visualização de que a retomada [da arrecadação] perdeu força”, declarou Claudemir Malaquias, chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal.

Destaques da arrecadação entre janeiro e novembro de 2021

A análise da arrecadação divulgada pela Receita Federal constatou que o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido totalizaram uma arrecadação de R$ 364.727 milhões, com crescimento real de 32,94% entre os meses de janeiro a novembro de 2021.

Já a Cofins e o PIS/Pasep apresentaram uma arrecadação conjunta de R$ 345.357 milhões, valor que representa um crescimento real de 16,49%. De acordo com  a Receita Federal, esse resultado reflete os acréscimos reais de 5,93% no volume de vendas (PMC-IBGE) e de 9,48% no volume de serviços (PMS-IBGE) entre dezembro de 2020 a outubro de 2021.

Por fim, a Receita Previdenciária obteve uma arrecadação de R$ 435.052 milhões, com acréscimo real de 7,17%. A análise da arrecadação afirma que esse resultado pode ser explicado pelos diferimentos do prazo para pagamento do Simples Nacional e da Contribuição Previdenciária Patronal concedidos durante o ano de 2020.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.