Antártica: 5 animais que vivem no continente

Por ser o continente mais meridional, a Antártica é o lar do Polo Sul e de uma fascinante população de animais adaptados especificamente ao seu ambiente hostil.

Devido às condições de frio e vento, muitos residentes locais – como por exemplo baleias, pinguins e focas – dependem de gordura, penas à prova d’água, assim como sistemas circulatórios exclusivos para sobreviver. Pássaros como a andorinha-do-mar ártico também evoluíram para se defender em terra e caçar nas águas geladas.

Veja cinco dos animais mais incríveis que chamam de lar a Antártica.

Orca

As orcas são uma das espécies mais reconhecidas na Antártica. Encontradas em oceanos de todo o mundo, essas baleias são especialmente adequadas para as águas geladas da Antártica. A saber, elas têm uma camada de gordura que as ajuda a manter o calor do corpo enquanto mergulham a profundidades de mais de 123 metros.

Esses belos animais também se mantêm aquecidos viajando em grupo e podem nadar até 30 metros por hora graças à sua estrutura hidrodinâmica, nadadeira dorsal e nadadeiras peitorais. A eco localização permite que eles se comuniquem uns com os outros e encontrem comida.

Pinguim imperador

Os pinguins-imperadores são os maiores pinguins e estão entre os mais carismáticos devido aos seus hábitos de reprodução únicos. Logo após botar um único ovo, a fêmea o passa para seu parceiro para incubação e sai em busca de comida – às vezes viajando 50 milhas até o oceano. Durante este tempo, o macho jejua por mais de 100 dias enquanto incubando seu ovo e aguardando o retorno da fêmea.

Na água, os pinguins-imperadores podem mergulhar a até 1.850 metros (o mais profundo de qualquer ave), assim como podem permanecer submersos por mais de 20 minutos. Em terra, a saber, esses animais se aquecem juntando-se em grupos.

Elefante-marinho

Como as maiores focas da Terra, os elefantes-marinhos machos crescem até cerca de 13 metros. Esse animais podem mergulhar até cerca de 8.000 metros de profundidade. E podem passar cerca de 90% de suas vidas caçando peixes, lulas, tubarões e outras presas debaixo d’água.

Isso é facilitado em parte por seu sistema circulatório único, que desvia o sangue de sua pele para o coração, pulmões e cérebro. As focas-elefante também têm a capacidade de armazenar sangue com baixo teor de oxigênio durante os mergulhos. Além disso, dependem da bradicardia, em que sua frequência cardíaca diminui para controlar seus níveis de oxigênio.

Krill Antártico

O krill antártico tem uma densidade populacional em torno de 280 a 850 krill por pé cúbico, o que o torna uma das espécies mais abundantes da Terra e uma importante fonte de alimento para animais maiores na Antártica. De acordo com um estudo americano, estima-se que existam mais de 400 milhões de toneladas de krill antártico nas águas que cercam o Pólo Sul.

Por causa disso, o krill antártico é uma espécie-chave na região – o que significa que, sem ele, as teias alimentares do Oceano Antártico entrariam em colapso. Os minúsculos crustáceos são em sua maioria transparentes com alguma coloração laranja a vermelha pontuada com grandes olhos pretos.

Foca leopardo

Como os pinguins e outros animais que vivem na Antártica, as focas-leopardo têm gordura espessa para reter o calor do corpo. Seus corpos também são aerodinâmicos e extremamente musculosos. Isso os ajuda a nadar até 38 quilômetros por hora e a mergulhar a profundidades de cerca de 250 metros para capturar suas presas.

Além do mais, as focas-leopardo têm narinas que podem ser fechadas para impedir a entrada de água durante o mergulho. A saber, outras adaptações úteis incluem olhos grandes para maximizar a entrada de luz debaixo d’água e bigodes que os ajudam a sentir o movimento durante a caça.

E então, gostou de conhecer essa lista de animais da Antártica?

Leia também – Pangeia: Conheça as características do supercontinente

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.