Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Adobe Sign doa tecnologia à Unicamp ampliar pesquisa sobre a Covid-19

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) ganhou reforços para suas pesquisas sobre a Covid-19. O Adobe Sign, serviço de assinatura eletrônica baseado em nuvem da Adobe Document Cloud, doou licenças para pesquisadores do Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia (CEPID Brainn).

Os estudos liderados pela universidade fazem referência aos efeitos neurológicos que a doença provoca. Eles acontecerão com mais de cinco mil participantes que já foram infectados pelo novo coronavírus para que os pesquisadores possam fazer análises e identificar o impacto da doença no sistema nervoso dessas pessoas.

Segundo os envolvidos, o Adobe Sign será essencial para acelerar a fase inicial de coleta das assinaturas eletrônicas dos milhares de termos de consentimento.

“O Adobe Sign é uma solução fácil, rápida e segura para obtermos as assinaturas individuais dos participantes sem precisarmos que eles se desloquem até o campus nessa fase inicial”, explica Clarissa Yasuda, Professora Assistente de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas do CEPID Brainn – Unicamp. “A empresa se sensibilizou com o projeto e está disposta a colaborar em parceria com a universidade.”

Clarissa Yasuda também afirma que ter toda a documentação em formato digital  e armazenada na nuvem trará uma economia de custos com impressões e espaço para arquivos, além de ser mais produtivo para toda a equipe e mais prático para os participantes.

Para o senior channel manager de Adobe Sign no Brasil, Eduardo Jordão, as instituições como um todo estão percebendo o quanto a tecnologia pode tornar processos diários, como a coleta de assinaturas, em uma tarefa mais rápida e prática, economizando o tempo da equipe e dos fornecedores.

“Neste caso da Unicamp, imprimir e coletar essas milhares de assinaturas presencialmente poderia até atrasar o início da pesquisa (e desestimular participação de pessoas distantes da UNICAMP), que é tão importante para toda a sociedade, principalmente nesta fase da pandemia”, afirma.

Clarissa Yasuda ressalta que o CEPID Brainn – Unicamp nasceu da integração de múltiplos talentos científicos unidos por uma missão: propor novas soluções às necessidades mais urgentes da sociedade com relação às neurociências. “Quanto mais tivermos parceiros e tecnologias que nos ajudem a avançar rapidamente, melhor para todos”.

A Unicamp está com o processo de inscrição aberto para participantes. Acesse o link aqui.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.