Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Acadêmica de Direito consegue na Justiça bolsa de estudos para concluir sua graduação

A 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), sob a relatoria do desembargador Luiz Fernando Boller, concedeu o direito à uma bolsa de estudos para que uma acadêmica do curso de Direito possa concluir sua graduação.

Com a decisão do órgão colegiado, a acadêmica poderá valer-se da bolsa de estudos anteriormente deferida para completar seu curso superior em universidade privada do sul do Estado de Santa Catarina (SC), mesmo após exceder o período regular para obtenção do diploma.

Entenda o caso

A acadêmica que já era bolsista, ao finalizar o 10º e último semestre da graduação no curso, tentou fazer sua matrícula para o próximo período com a intenção de resgatar disciplinas que não havia cursado anteriormente, justamente por problemas financeiras.

Bolsa suplementar

No entanto, o sistema de matrícula da universidade bloqueou sua tentativa de matrícula, ao interpretar como encerrado o prazo da bolsa, com a indicação de que havia necessidade de nova inscrição para concorrer e tentar obter uma bolsa suplementar.

Tutela de urgência

Diante da negativa, a estudante recorreu à Justiça e obteve tutela de urgência para garantir seu direito, que foi questionado pela universidade e pelo Estado em sede de agravo de instrumento interposto junto ao Tribunal de Justiça de SC.

Omissão do edital

No Tribunal, o desembargador Luiz Fernando Boller, relator da matéria, entendeu que o edital que rege a concessão de bolsas de estudos é omisso ao não informar ao aluno que após o 10º período ele não poderá ser contemplado com a continuidade da bolsa em caso de existência de matérias pendentes.

Do mesmo modo, o magistrado também levou em consideração as orientações contraditórias fornecidas pela própria instituição de ensino e pelo programa de bolsas, que em nada auxiliaram a acadêmica na busca de uma solução para seu caso específico.

“É seguro dizer que a omissão do edital (…), juntamente com a incoerência das orientações prestadas pela instituição de ensino e pelo programa de bolsas de estudo, impossibilitaram a aluna de manter seu benefício por mais seis meses, fatos que não poderão vir a prejudicá-la”, posicionou-se Boller. 

A decisão colegiada foi acompanhada de forma unânime pelos demais integrantes da 1ª Câmara. Diante da decisão, a ação seguirá seu trâmite regular no juízo de origem.  

(Agravo de Instrumento nº 5024879-45.2020.8.24.0000)

Fonte: TJSC

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.