Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Absolutismo Monárquico: um dos assuntos de História mais cobrados!

Absolutismo Monárquico: tudo o que você precisa saber!

O Absolutismo Monárquico é um assuntos mais cobradas nas principais provas de história do país. O tópico pode aparecer das mais variadas maneiras na prova do ENEM e também nas provas de vestibulares.

Além disso, o assunto é extenso, uma vez que o Absolutismo Monárquico esteve pressente em diversos séculos e em diversos países.

Dessa maneira, é essencial que você domine as principais características desse assunto para garantir um alto desempenho na prova que deseja prestar.

Absolutismo Monárquico: Introdução

O absolutismo monárquico é a ideologia que defende o poder absoluto dos reis, seja na política ou na economia. Dessa forma, o absolutismo considerava que o poder real deveria ser ilimitado.

Igualmente, ele foi particularmente comum entre os séculos XV e XIX, abrangendo parte da Idade Média, parte da Idade Moderna e parte da Idade Contemporânea.

A principal característica do absolutismo monárquico era atender as demandas da nobreza feudal e da burguesia mercantil, porém sempre com o rei no comando.

Além disso, essa ideologia. forma de governo foi também responsável por abandonar o modelo de fragmentação política medieval e a relação de vassalagem presente nos séculos anteriores.

Absolutismo Monárquico: Contexto Histórico

O surgimento da burguesia foi um aspecto muito importante para o início absolutismo monárquico. Com a estruturação das nações modernas, como Espanha, França e Inglaterra, novas classes sociais surgiram e buscavam formas de favorecer seus negócios.

Desse modo, a concentração de poder nas mãos de uma única pessoa era o melhor meio para estabelecer leis que unificassem alguns recursos, como as moedas e os impostos. Do mesmo modo, a nobreza acreditava que, com todo o poder na mão do rei, o controle de suas terras e de seus servos seria mais fácil.

Com isso, as duas classes, burguesia e nobreza, apoiavam o absolutismo monárquico. Com ele, o rei seria o responsável pela criação de impostos, criação e aplicação de leis, garantia da segurança, exterminar rebeliões e revoltas, definir uma moeda única e também um único idioma para todo o reino.

Além disso, o absolutismo foi também responsável por criar os impostos alfandegários. O objetivo dessa ação era proteger a produção nacional, tornando os produtos que eram importados mais caros do que aqueles que eram produzidos no próprio país.

Igualmente, com a arrecadação de impostos e centralização do poder, os monarcas criaram então exércitos para a proteção de seus territórios. Ademais, ideais nacionalistas de defesa da pátria também foram afirmados na época.

Diversos intelectuais da Idade Média e da Idade Moderna defendiam e buscavam legitimar o poder absoluto do rei. Entre eles, podemos citar Nicolau Maquiavel, Thomas Hobbes, Jacques Bossuet e Jean Bodin.

As ideias absolutistas só começaram a ser questionadas com o surgimento das ideias iluministas e o acontecimento da Revolução Francesa, no século XVIII.

 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.