Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

5 fatos de 2021 marcantes para os empreendedores

2021 foi um ano atípico para o microempreendedor brasileiro. Ainda dentro da pandemia de Covid-19, veio uma segunda onda de contaminados e com isso medidas mais restritivas.

A grande missão para o empreendedor era saber como sobreviver a essa fase que já estava se estendendo há um ano.

Após a maior parte da população brasileira conseguir se vacinar com pelo menos a primeira dose, a economia começou sua retomada.

A dúvida então era de qual maneira o empresariado iria reabrir seu comércio antes fechado por um ano e se seria necessário algum dinheiro para investir.

Rodrigo Cabernite, CEO da GYRA+, Fintech especializada em liberação de crédito para microempresas, afirmou que foi preciso investir para conseguir reabrir.

“Foi um ano de resistência. Tiveram alguns momentos bons, como a reabertura. Foi melhor que o ano passado, no qual tivemos péssimas surpresas. Para este ano já entramos com muita cautela, sabendo que estaria vindo a segunda onda lá nos EUA e na Europa”, apontou.

O especialista listou cinco pontos marcantes para o empreendedor em 2021. Acompanhe!

Digitalização do comércio

O empreendedor que aprendeu com todas as dificuldades em 2020 conseguiu se colocar de uma forma mais segura quando veio a segunda onda.

Isso significa um restaurante que foi para o delivery ou o comércio que foi para o e-commerce e conseguiu atender pelo WhatsApp. Isso tem muito a ver com digitalização.

A reabertura

A grande dúvida era em como realizar a reabertura. O microempreendedor sabia que seu restaurante estava inutilizado há um ano, que o seu hotel que estava sem funcionar precisa reabrir e comprar enxoval novo.

Com isso ele entendeu que para reabrir precisa de investimento. O simples fato de poder reabrir não significa que isso de fato irá acontecer, é preciso também ter algum tipo de crédito para isso (material e insumos).

A sobrevivência

Não era só preciso reabrir, mas também sobreviver. Nos centros comerciais a parte de comércio (lojas e restaurantes) foi fechada praticamente por inteiro.

Quando reabriu, ficou só quem sobreviveu. Tiveram empresários que conseguiram identificar oportunidades, já que houve nichos em que oportunidades incríveis surgiram e que vários pedacinhos na economia ainda precisam ser preenchidos.

Cenário macroeconômico desafiador

A alta dos juros começou a pesar muito no segundo semestre. Mesmo com todas as dificuldades, ainda tivemos essa péssima surpresa dos juros altos na economia, a escassez de crédito e o pouco crescimento econômico.

Crise longe de acabar

O empreendedor percebeu que ele precisa se planejar, se organizar e ser conservador. Precisa ter um caixa e ser resiliente para passar por alguns obstáculos que podem surgir de novo.

O empresariado sai muito mais maduro e rodado agora no final do ano do que eles entraram em 2021. Tem um crescimento em relação a percepção dos negócios, de como investir na hora certa, esse aprendizado fica.

Fonte: Assessoria de Imprensa – GYRA+.
E então, gostou da matéria? Não deixe de ler também – Auxílio Brasil vai pagar mais para menos pessoas. Entenda.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.