Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Unicef tem podcast para ensinar cultura afro-brasileira

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) criou um podcast sobre a cultura afro-brasileira, com o objetivo de informar crianças de 3 a 8 anos. A ideia é que os conteúdos didáticos sobre a história e cultura afro-brasileira continuem chegando até os alunos dos ensinos infantil e fundamental, até os seus professores e familiares.

Desse modo, o Unicef disponibiliza o material de forma gratuita. Além disso, o podcast pode ser veiculado de forma gratuita por emissoras de rádio. É possível acessá-lo por meio do Spotify, no canal do YouTube e ainda no site da agência da ONU.

Podcast pensado para crianças

A proposta é de publicar até o fim deste ano 50 episódios com duração que varia de 20 a 30 minutos. Assim, o programa Deixa Que Eu Conto é apresentado como um espaço para “ouvir histórias, brincar, aprender e se divertir”. A apresentação é das contadoras de histórias Carol Levy e Kiara Terra.

Com foco no desenvolvimento infantil, o projeto visa atender as crianças e as famílias no cenário de isolamento social por meio de diversos conteúdos. Nesses conteúdos estão inclusos conhecimentos sobre a cultura afro-brasileira. Desse modo, os conteúdos estão de acordo com as Diretrizes Nacionais da Educação Infantil e na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a educação infantil.

Nesse sentido, Mafuane Oliveira, educadora e uma das cinco roteiristas, afirma que o material “oportuniza o contato com outras narrativas não euro-centradas”. Conforme a roteirista, o programa é uma forma de ensinar as crianças de uma forma lúdica. Desse modo, leva as crianças a aprenderem a história e a cultura do Brasil ao mesmo tempo em que as diverte.

Para a oficial de educação do Unicef, Julia Ribeiro, a educação pode ser forte no combate ao racismo. Para ela, as crianças negras podem se sentir representadas com o podcast sobre a cultura afro-brasileira. Além disso, é uma forma de “as crianças não negras verem seus colegas ocupando esse espaço”.

E aí? Gostou do texto? Então deixe aqui o seu comentário!

As informações são da Agência Brasil.

Veja também 5 livros para ler no mês da Consciência Negra.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.