Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Tabela do imposto de renda: Ministério da Economia está relutante na alteração; entenda

O ministério da Economia vem sendo pressionado a alterar a tabela de isenção do imposto de renda, mesmo assim a pasta tem mostrado certa resistência com a ideia. A iniciativa é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que até agora não saiu do papel.

A alteração tabela de isenção do imposto de renda vem sendo debatida em paralelo a Reforma Tributária. Durante a campanha, Bolsonaro teria prometido que tabela de isenção do imposto de renda deveria contar com quem ganhasse até R$ 3 mil.

Por outro lado, o que vem sendo estudado é que a faixa de isenção do imposto de renda para o próximo ano saia de R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil.

Se isso será cumprido ainda não se sabe, já que o ministério da Economia tem relutado diante da perspectiva de perdas de gastos, sem uma nova cobrança.

O Sindifisco, sindicato dos auditores da Receita Federal, ainda calcula que o valor de isenção do imposto de renda deveria ser pelo menos R$ 4 mil.  Isso porque existe na faixa de isenção do imposto de renda uma defasagem de 113,09% desde 1996.

Tabela do imposto de renda e eleições

As eleições de 2022 também devem ser mais um motivo para que a tabela de isenção do imposto de renda seja alterada e modique o texto a ser proposto pelo ministério da Economia. O assunto também está em discussão na Câmara dos Deputados e tem até parlamentar estudando a possibilidade de aumentar o valor de isenção para R$ 4 mil.

A nova faixa, da tabela do Imposto de Renda a ser definida, pode mudar o orçamento de diversos brasileiros que poderão contar com uma parcela a mais dos seus salários, já que o imposto de renda não será retido na fonte, ou seja, descontado mensalmente.

Neste impasse, a equipe econômica, chefiada por Paulo Guedes, deverá  ter “jogo de cintura” com o Congresso Nacional. Isso porque será necessário fugir de problemas e de entraves como aconteceu no Orçamento 2021.  Um problema que o governo quer evitar é perder o apoio do Centrão.

Técnicos do ministério da Economia devem ainda, nas próximas semanas, elaborar a documentação para alteração da tabela do imposto de renda. O texto deve também ser analisado por Bolsonaro.

Confira como foi a tabela do  Imposto de Renda 2021, referente a 2020:

Por salário:

  • Faixa 1: Até R$ 1.903,98: isento
  • Faixa2: De R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65: 7,5%
  • Faixa 3: De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05: 15%
  • Faixa 4: De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68: 22,5%
  • Faixa 5: Acima de R$ 4.664,68: 27,5%

Por rendimento total:

Base de cálculo

Alíquota

Alíquota

Parcela a deduzir do IR

1ª faixa

até R$ 22.847,76

Isento

2ª faixa

de R$ 22.847,77 até R$ 33.919,80

7,5%

R$ 1.713,58

3ª faixa

de R$ 33.919,81 até R$ 45.012,60

15%

R$ 4.257,57

4ª faixa

de R$ 45.012,61 45.012,61 até R$ 55.976,16

22,5%

R$ 7.633,51

5ª faixa

acima de R$ 55.976,16

27,5%

R$ 10.432,32

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.