Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Subordinadas substantivas: como identificá-las

As orações subordinadas são tantas, que às vezes as confundimos na hora de classificá-las, não é? Confira a seguir como identificar cada uma das subordinadas substantivas.

Subordinadas substantivas: o que são

As subordinadas substantivas são orações que exercem funções sintáticas próprias dos substantivos. Isso ocorre sempre em relação a uma oração principal.

Abaixo, você aprenderá dicas que lhe ajudarão a identificar cada uma delas.

Subjetivas

Costumam ter a oração principal começando com um verbo de ligação ou ter um advérbio antecedendo o verbo de ligação.

Ex.:

  1. (Ontem durante a festa) É verdade que João estava com frio.
  2. (Ontem durante a festa) Parece que João estava com frio.

Essa é a estrutura padrão das subordinadas substantivas subjetivas.

Note que no exemplo 1 a oração principal é formada por verbo de ligação (É) mais predicativo do sujeito (verdade). Já a oração 2 possui apenas o verbo de ligação (parece). Em ambos os casos, o verbo de ligação pode vir antecedido por um advérbio ou locução adverbial.

Predicativas

Essa se assemelha bastante à subjetiva. Porém, a principal é formada por sujeito mais verbo de ligação. Ou seja, outra oração será o predicativo do sujeito.

Ex.:

A verdade é que João estava com frio.

Observe que a oração principal é formada por sujeito (A verdade) mais verbo de ligação (é). Logo, a oração “que João estava com frio” será o predicativo do sujeito da oração principal “A verdade é”.

Novamente, a dica principal é tentar memorizar a estrutura: sujeito + verbo de ligação + substantiva predicativa.

Objetiva direta

Completa um verbo transitivo direto que estará na oração principal. Basta lembrar que a oração principal na maioria das vezes será formada por sujeito mais verbo transitivo direto.

Ex.: Eu sei que você está feliz.

Perceba que a oração principal (Eu sei) não possui objeto direto, e que esse objeto é formado por outra oração (que você está feliz).

Objetiva indireta

Essa parece com a objetiva direta, porém será introduzida por uma preposição.

Ex.: Eu preciso de que você mantenha a calma.

Observe que a oração principal (Eu preciso) não possui o objeto indireto exigido pelo verbo “precisar”. Logo, o objeto indireto, nesse caso, será formado por outra oração: “de que você mantenha a calma”.

Completiva nominal

É sempre introduzida por uma preposição. Contudo, sua função é completar o sentido de um nome (substantivo abstrato, adjetivo ou advérbio).

Ex.: Tenho medo de que você não consiga.

Veja que a oração principal (Tenho medo) possui um nome (medo) que exige um complemento. Como esse complemento é formado por outra oração (de que você não consiga), essa oração será completiva nominal.

 

Ob.:

A completiva nominal e a objetiva indireta são as únicas que serão introduzidas por preposição.

Logo, se a oração subordinada substantiva se inicia com uma preposição, você pode eliminar todas as outras. Feito isso, analise se o termo a que ela está ligada é um verbo ou um nome.

Apositiva

É a única subordinada substantiva que pode ser separada da oração principal por pontuação. O mais comum é que ela seja antecedida por dois pontos, contudo os dois pontos podem ser substituídos por vírgula.

Ex.: Fernando tinha apenas uma certeza: que seu pai não mais voltaria para casa.

 

Gostou do texto? Deixe seu comentário e faça-nos sugestões sobre as dúvidas que você tem referentes ao uso da língua portuguesa.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.