Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

SP: Menos de 1% dos alunos com deficiência acessaram ensino superior

Dados mostram resultados de 2019 e 2020

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência promoveu uma atualização dos dados da plataforma Base de Dados dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Foram inseridas novas informações acerca a área da educação básica.

Os dados apontam que entre 2019 e 2020 o número de alunos com deficiência matriculados nas redes de ensino aumentou em 20%, sendo 174.363 alunos em 2019 e 210.409 alunos em 2020.

Também é possível fazer consulta por município do estado e ter acesso ao número de alunos com deficiência matriculados por região e por etapa de ensino (infantil, fundamental e médio).

Os dados apontam que no ano passado, 50% das pessoas com deficiência na Educação Básica eram pessoas com deficiência intelectual.

Em 2019, 72% das crianças e jovens com deficiência cursavam o ensino fundamental, 14% chegaram ao ensino médio.

Em relação a gênero, de 2019 para 2020 houve um aumento de 9% na participação das crianças e jovens com deficiência do sexo feminino.

Dados do Ensino Superior

Também há nessa mesma base de dados informações sobre professores da Educação Básica, assim como do Ensino Superior inclusivo.

Há números não somente dos estudantes, como também dos docentes.

Entre os resultados, constatou-se que só 0,47% dos alunos deficientes que terminaram o ensino médio seguiram para o ensino superior no estado de São Paulo.

Uma vez que a educação impacta em todas as áreas da vida de uma pessoa, uma análise do sistema educacional atual e a busca por melhorias representam ações de extrema importância para a consolidação da educação inclusiva.

Em vista disso, foram inseridas na Base de Dados dos Direitos da Pessoa com Deficiência informações sobre os alunos com deficiência matriculados na rede estadual de ensino, municipal, privada e federal, tendo informações sobre tipos de deficiência, idade, raça ou cor e gênero.

Os interessados em conferir a atualização dos dados devem acessar o site clicando aqui.

E então, o que achou da matéria? Compartilhe com quem precisa saber disso!

Não deixe de ler também – SP: Projeto busca tornar obrigatório o ensino de Libras para professores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.