Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Sociologia: Definição da teoria do conflito de Marx

A teoria do conflito teve origem na obra de Karl Marx, que focalizou as causas e consequências do conflito de classes entre a burguesia (os proprietários dos meios de produção e os capitalistas) e o proletariado (a classe trabalhadora e os pobres).

Enfocando as implicações econômicas, sociais e políticas da ascensão do capitalismo na Europa, Marx teorizou que este sistema, baseado na existência de uma poderosa classe minoritária (a burguesia) e uma classe majoritária oprimida (o proletariado), criou um conflito de classes porque os interesses dos dois estavam em desacordo e os recursos eram injustamente distribuídos entre eles.

Dentro desse sistema, uma ordem social desigual era mantida por meio de coerção ideológica que criava consenso – e aceitação dos valores, expectativas e condições determinados pela burguesia.

Marx teorizou que o trabalho de produção de consenso era feito na “superestrutura” da sociedade, que é composta de instituições sociais, estruturas políticas e cultura, e que produzia consenso para a “base”, as relações econômicas de produção.

Marx raciocinou que à medida que as condições socioeconômicas piorassem para o proletariado, eles desenvolveriam uma consciência de classe que revelaria sua exploração nas mãos da rica classe capitalista da burguesia, e então se revoltariam, exigindo mudanças para amenizar o conflito.

De acordo com Marx, se as mudanças feitas para apaziguar o conflito mantivessem um sistema capitalista, o ciclo de conflito se repetiria.

No entanto, se as mudanças feitas criassem um novo sistema, como o socialismo, então a paz e a estabilidade seriam alcançadas.

Evolução da Teoria do Conflito

Muitos teóricos sociais se basearam na teoria do conflito de Marx para reforçá-la, desenvolvê-la e refiná-la ao longo dos anos.

Max Horkheimer e Theodor Adorno, teóricos críticos que fizeram parte da Escola de Frankfurt, concentraram seu trabalho em como a ascensão da cultura de massa – arte, música e mídia produzidas em massa – contribuiu para a manutenção da hegemonia cultural.

Mais recentemente, C. Wright Mills baseou-se na teoria do conflito para descrever o surgimento de uma pequena “elite de poder” composta de figuras militares, econômicas e políticas que governaram a América desde meados do século XX.

Muitos outros recorreram à teoria do conflito para desenvolver outros tipos de teoria dentro das ciências sociais, incluindo a teoria feminista, a teoria crítica da raça, a teoria pós-moderna e pós-colonial, a teoria queer, a teoria pós-estrutural e as teorias da globalização e dos sistemas mundiais.

Assim, embora inicialmente a teoria do conflito tenha descrito os conflitos de classe especificamente, ela se prestou ao longo dos anos a estudos de como outros tipos de conflitos.

Por exemplo:aqueles baseados em raça, gênero, sexualidade, religião, cultura e nacionalidade, entre outros, fazem parte das estruturas sociais contemporâneas e como elas afetam nossas vidas.

E então, gostou de conhecer mais sobre o tema?

Não deixe de ler também – Sociologia marxista: Veja 4 características principais

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.