Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Secretário afirma que, se auxílio for prorrogado, será em ‘escala menor’

Na última terça-feira (24), Bruno Funchal, secretário do Tesouro Nacional, afirmou que, se o auxílio emergencial for prorrogado mais uma vez, será “em escala muito menor”. A prorrogação é cogitada no caso de uma nova onda da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

A declaração foi dada durante audiência pública na comissão mista do Congresso que acompanha as medidas do Executivo de enfrentamento à pandemia. O secretário afirmou ainda que, atualmente, o espaço é “praticamente zero” para a prorrogação do programa.

“Sempre considerando que recurso é muito escasso. Já era escasso antes e agora é praticamente zero de espaço. Aprender e agir, é claro que provavelmente se tiver (prorrogação do auxílio) vai ser algo em escala muito menor”, explicou.

A Instituição Fiscal Independente (IFI) calculou que se o auxílio fosse prorrogado por mais quatro meses, teria um custo de R$ 15,3 bilhões para o governo, considerando a prorrogação para 25 milhões de brasileiros. Atualmente, o auxílio é pago para 67,8 milhões de brasileiros.

Na última segunda-feira (23), o ministro da Economia Paulo Guedes afirmou que, em caso de segunda onda da pandemia, o governo já sabe quem são os beneficiários que “realmente precisam” continuar recebendo o programa. A atual questão entre a equipe econômica do governo é encontrar uma forma de pagar uma possível prorrogação sem furar o teto de gastos.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.