Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Santa Catarina e Rondônia proíbem uso da ‘linguagem neutra’

Linguagem neutra é pauta de grupos LGBTQIA+

Novas leis de Santa Catarina e Rondônia visam proibir a chamada “linguagem neutra” em contextos diversos. A lei rondoniense proíbe a linguagem “na grade curricular e no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas, assim como em editais de concursos públicos”.

Contudo, devido a uma decisão liminar de Fachin, a norma está em suspensão até que haja uma votação entre os ministros. A decisão será feita remotamente, através do sistema eletrônico da Corte, até segunda-feira (13).

Já no caso de Santa Catarina, o decreto recebeu apoio da Advocacia-Geral da União (AGU) e do Ministério da Educação (MEC). O argumento principal é que a linguagem neutra não se enquadra no uso coloquial ou culto da língua. A lei veda seu uso em concursos públicos, documentos oficiais e instituições de ensino.

Apesar de ter recebido apoio das duas entidades, a norma foi questionada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), pois “viola os direitos à igualdade, à não discriminação, o princípio da dignidade da pessoa humana e o direito à educação”.

Linguagem neutra é pauta de grupos LGBTQIA+

Os tipos de linguagem neutra, não-binária ou inclusiva visam atenuar diferenças ou sentidos de subordinação de gênero por meio da língua.

Desse modo, seria possível um uso da língua mais condizente com a diversidade, ao incluir pronomes como elu/delu, ou ile/dile. Além disso, são propostas possibilidades de diferenciação do plural masculino em relação ao plural neutro, como no exemplo todos/todes.

O debate não é simples. Um trecho do documento da AGU diz que as mudanças da linguagem neutra “são alheias ao cotidiano de crianças, jovens e adultos da sociedade brasileira em geral”. Em consonância, o MEC alega que tal linguagem “corresponde a uma língua artificial diversa da Língua Portuguesa”.

Por outro lado, grupos LGBTQIA+ argumentam que a Língua Portuguesa é viva, assim como toda língua humana. Isto é, seu uso está em constante modificação, seja coloquialmente ou na norma culta. Assim, as tentativas de modificação e surgem como maneiras de diminuir tensões relacionadas às identidades de gênero, criando opções para além das categorias binárias.

E então, o que achou da decisão dos estados?
Não deixe de ler também: Desemprego na comunidade LGBTQIA+ é estimado em 40%

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.