Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Prorrogação do auxílio emergencial em 2021: Valor, regras e condições; saiba mais

O programa ganhará mais três parcelas, tendo vigência de sete meses.

Oficializada! Hoje, 6, o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União o decreto que viabiliza a prorrogação do auxílio emergencial em 2021. O programa ganhará mais três parcelas, tendo vigência de sete meses.

Os pagamentos foram iniciados no mês de abril e serão estendidos até o mês de outubro. Conforme o decreto, os atuais beneficiários terão o seu direito mantido, além de receber o mesmo valor no qual já é disponibilizado. Sendo assim:

  • Pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150;
  • Famílias com duas ou mais pessoas recebem R$ 250; e
  • Famílias monoparentias chefiadas pelas mães recebem R$ 375.

Novas inscrições não serão permitidas

Na última segunda-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro divulgou que a prorrogação não possibilitará novas inscrições. Neste sentido, somente quem teve o auxílio liberado este ano deve continuar tendo acesso ao benefício.

Inicialmente, o programa foi liberado em apenas quatro parcelas, sendo pagas nos meses de abril, maio, junho e julho. Agora, o benefício terá mais três parcelas, que serão disponibilizadas nos meses de agosto, setembro e outubro.

Calendário da prorrogação

Até o momento, o Ministério da Cidadania e a Caixa Econômica Federal ainda não divulgaram o calendário com as novas parcelas. Esse cronograma seria destinado aos contemplados que se inscreveram via site, aplicativo e CadÚnico.

Os beneficiários do Bolsa Família que estão recebendo pelo programa, já podem conferir quando receberão as próximas parcelas, uma vez que o calendário para este grupo é o mesmo aplicado no programa social.

Critérios de elegibilidade

  • Ter renda familiar per capita mensal de até meio salário mínimo (R$ 550);
  • Ter renda familiar mensal bruta de até três salários mínimos (R$ 3.300);
  • Ser maior de 18 anos, exceto mães solteiras;
  • Ter sido beneficiário em 2020;
  • Ser beneficiário do Bolsa Família, sendo o benefício do auxílio mais vantajoso.

Não recebem o auxílio emergencial

  • Trabalhador formal ativo;
  • Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou rendimentos isentos acima de R$ 40 mil naquele ano;
  • Quem possuía em 2019 bens de valor superior a R$ 300 mil;
  • Residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares; e

Quem recebe benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista, ou de transferência de renda do governo em 2020, com exceção do Bolsa Família e abono salarial.

Veja também: Calendário da 4ª parcela do auxílio emergencial; confira

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.