Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Prefeito de Belo Horizonte apresenta proposta de Auxílio Emergencial para o município

Caso a Câmara Municipal aprove, o benefício concederá R$ 100 mensais para aqueles que mais precisam.

Recentemente, após enviar uma mensagem a Nely Aquino, presidente da Câmara de Vereadores de Belo Horizonte, o atual prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, relatou que a criação de um Auxílio Emergencial era imprescindível. 

Na ocasião, o prefeito enfatizou o aumento expressivo no número de pessoas com inscrição no Cadastro Único. Nesse sentido, portanto, de acordo com dados do Ministério da Cidadania, o número total de famílias participantes do cadastro aumentou de 171.942 em janeiro de 2021 para 180.437 em abril. 

Em comunicado oficial, a prefeitura de Belo Horizonte confirmou que a idealização da medida social está em andamento. Contudo, não revelou possíveis detalhes sobre a inclusão de beneficiários e valores que os participantes receberiam.

“A Prefeitura de Belo Horizonte informa que um projeto está em elaboração e será apresentado ao Legislativo e à imprensa assim que finalizado”, declarou quanto questionada a administração municipal.

No entanto, os cidadãos de Belo Horizonte poderão saber mais sobre o programa, já que o governo municipal liberou suas regras nesta semana.

Nesse sentido, durante a última quinta-feira, 15 de julho, Kalil se reuniu com vereadores com a intenção de apresentar a proposta da PBH. O encontro aconteceu às 16h30, na sede do poder Executivo. 

Prefeito de Belo Horizonte apresenta Auxílio Emergencial da cidade

Integrantes da equipe econômica da gestão municipal declararam que a medida deve contar com o aporte de seis parcelas de R$ 100, totalizando R$ 600. Nesse sentido, ainda, as famílias contempladas pelo benefício poderão acumular até duas cotas do auxílio. Isto é, totalizando um valor de R$ 200 por núcleo familiar.

“Faz-se imprescindível instituir o benefício destinado a conferir proteção e alívio da situação de pobreza à população mais vulnerável, mitigando os efeitos decorrentes da pandemia”, escreveu o prefeito em mensagem encaminhada à Câmara Municipal de Belo Horizonte.

Em conjunto, a medida também prevê um subsídio para a alimentação mensal de R$ 100. Ele se destina a famílias que possuem estudantes matriculados na rede pública municipal de ensino. Dessa maneira, ele será pago até a regularização da alimentação escolar presencial das unidades de ensino. Portanto, estima-se que a prefeitura invista aproximadamente R$ 160 milhões no programa social. 

“Eu faço um apelo aos vereadores da Câmara Municipal para que não façam emendas e que este projeto tramite o mais rápido possível para ajudar essas pessoas”, disse o prefeito Alexandre Kalil. 

Quem poderá receber o benefício?

As parcelas se direcionarão mensalmente a famílias que se encontrem em situação de pobreza. Além disso, é necessário ter a devida inscrição no CadÚnico. Ademais, a medida com nome de “Auxílio Belo Horizonte” deve possuir uma duração inicial de seis meses. Contudo, há a possibilidade de prorrogação no futuro.

Indo adiante, além dos grupos familiares que possuam renda de até meio salário mínimo, ou seja, R$ 550, também haverá permissão para a participação de: catadores de materiais recicláveis, ambulantes, povos e comunidades tradicionais e mulheres que com medidas protetivas da Justiça com relação a uma situação de violência doméstica. 

Se tratando do benefício para as famílias de estudantes, haverá permissão para as modalidades da: educação infantil, ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Desse modo, espera-se que cerca de 300 mil famílias sejam contempladas pelo benefício, que atualmente segue em tramitação na Câmara Municipal. 

O que dizem os parlamentares?

A vereadora Bela Gonçalves (Psol), relata que a chegada do programa dará maiores condições à população carente de movimentar a economia da capital mineira. Além disso, Bela considera os valores abaixo do necessário. Contudo, reconhece que a quantia segue o que os cofres públicos de Belo Horizonte podem fornecer no momento. 

“O recurso na mão das famílias é importante para movimentar a economia das comunidades. Sabemos que o valor é baixo, mas é o que é possível no momento”, explicou. 

Ademais, questionada sobre o assunto, a vereadora Marcela Trópia, (Partido Novo), relata que é necessário efetuar uma análise mais delicada do projeto de forma a aprovar a medida. No entanto, a mesma não excluiu possíveis alterações no texto da proposta. 

“Precisamos ver as condições da PBH para ver a possibilidade de conseguirmos aumentar o valor dos recursos. Sabemos que o valor de R$ 100 mensais é menor do que se esperava, mas precisamos conhecer melhor o projeto para entendermos como é possível melhorar isso para ajudar ainda mais a população”, disse. 

Por fim, de acordo com o líder do governo na Câmara, Léo Burguês (PSL), já existe um acordo firmado entre a base aliada e os parlamentares de esquerda para que a medida tenha aprovação nos dois turnos até o final da primeira quinzena do mês de agosto. 

“Já ficou acordado que vamos ter reuniões extraordinárias para acelerar o andamento. É um projeto muito importante para as famílias que estão passando necessidades nesta pandemia e não há motivos para que se atrase a aprovação”, frisou.

Situação de estrema pobreza em Belo Horizonte

Atualmente, cerca de 68 mil famílias se encontram em situação de extrema pobreza no município. Isso significa, portanto, que vivem com menos de R$ 89 por pessoa mensalmente. Outras 16 mil possuem renda per capita entre R$ 89,01 e R$ 178. 

Durante o período compreendido entre os meses de janeiro a abril de 2021, aproximadamente 10 mil cidadãos ingressaram a linha da pobreza ou da extrema pobreza no município.

Outro projeto social também poderá ser implantado

Além do projeto que a prefeitura apresentou, já vem tramitando na Câmara de Belo Horizonte outro que possibilita a criação de um novo Auxílio Emergencial. 

O Projeto de Lei de número 126/2021 possui a autoria de seis vereadores: Bruno Miranda (PDT), Bella Goncalves (Psol), Iza Lourença (Psol), Miltinho GGE (PDT), Duda Salabert (PDT) e Gilson Guimarães (Rede). 

Assim, a intenção do projeto é de instaurar um novo auxílio com o valor de R$ 600 mensais. Dessa forma, os valores se destinariam ao grupo familiar que possui renda per capita mensal de até R$ 178. A família também necessitaria de inscrição no CadÚnico. O acesso ao benefício também se estenderia aos grupos familiares acompanhados e identificados pelo serviço de assistência social da prefeitura.

Bruno Miranda, uns dos vereadores autores do projeto, declarou que quer escutar a proposta do governo para que a medida que eles vêm organizando prossiga dentro da possibilidade orçamentária municipal.

“De minha parte, queria avançar nesse tema para algo concreto para a população mais pobre. Todo avanço é bem-vindo. Nosso PL previa R$ 600. Mas, sabemos da dificuldade orçamentária para avançarmos na plenitude da proposta. Vamos conhecer os detalhes primeiro para depois tirarmos as definições”, afirmou.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.