Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Preço do diesel tem alta de 5,55% na primeira quinzena de outubro

Em relação ao fechamento de setembro, o preço médio do diesel no país subiu 5,55% na primeira quinzena de outubro, apontam dados da Ticket Log (marca de gestão de frotas e soluções de mobilidade da Edenred Brasil). Se comparado com a média registrada no mesmo período do ano passado, a alta chega a 41%.

“O preço do diesel vem de forma consecutiva avançando em todo o território nacional, e fica evidente com a nova alta o impacto do mais recente reajuste nas refinarias anunciado no final do mês de setembro”, disse Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil.

O diesel comum e o S-10 (10 partes de enxofre por milhão) apresentaram aumento no preço médio em todas as regiões do país, com variações acima de 5%. A região Norte apresenta os preços médios mais elevados de todo o território nacional, onde o diesel comum estava custando R$ 5,415 por litro e o diesel S-10 R$ 5,469 por litro.

Já a região Sul do Brasil apresentou os valores mais baixos por litro registrados no período. O diesel comum foi comercializado a R$ 4,799, já o diesel tipo S-10 chegou aos consumidores finais por R$ 4,836 por litro.

Ameaça de desabastecimento no país

De acordo com a Associação das Distribuidoras de Combustíveis – BRASILCOM, diversas distribuidoras filiadas receberam um comunicado do setor comercial da Petrobras recentemente. No comunicado, as empresas foram informadas que seriam realizados diversos cortes unilaterais nos pedidos feitos para fornecimento de gasolina e óleo diesel no mês de novembro.

Ainda segundo a associação, essas reduções promovidas pela Petrobras (em alguns casos chegando a mais de 50% do volume solicitado para a compra), podem colocar o Brasil em situação de desabastecimento desses combustíveis. Ademais, é inviável compensar essas reduções de fornecimento por meio de contratos de importação, já que os preços do mercado internacional estão superiores aos praticados no país.

“Apesar de totalmente favorável ao programa de desinvestimento de ativos da Petrobras, a BRASILCOM considera este momento um exemplo do que pode vir a ocorrer caso as autoridades governamentais não se preocupem em estabelecer regras claras para a atuação dos novos proprietários das refinarias e sistemas de logística desinvestidos pela Petrobras, de modo a evitar o estabelecimento de condições comerciais com preferências a determinados clientes, desequilibrando o ambiente concorrencial do mercado de combustíveis” disse em a BRASILCOM em nota.

Preço do diesel sofre reajuste em setembro

No final de setembro a Petrobras havia anunciado que aumentaria o valor do diesel para distribuidoras. O preço médio de venda nas refinarias previsto passaria de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro. De acordo com a companhia, o reajuste era necessário por conta da elevação do preço do petróleo em patamares internacionais e a taxa de câmbio.

Além disso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem falado muito sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS (tributos estaduais) no preço dos combustíveis. Segundo o líder do executivo, esse imposto é um dos principais motivos da alta no preço de combustíveis como a gasolina, diesel, GLP, entre outros.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.