Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

PIX foi utilizado em 869,6 milhões de pagamentos no início de 2021

O Banco Central, afirmou nesta quinta-feira (17) que o PIX superou todas as operações realizadas por meio de cheque, TED ou DOC. Ainda segundo o BC, o novo sistema de pagamentos instantâneo, lançado em novembro de 2020, foi utilizado em 869,6 milhões de pagamentos no 1º trimestre de 2021.

O PIX deve ser utilizado por meio do aplicativo do banco em que o indivíduo é correntista. Portanto, não existe um site ou aplicativo desenvolvido pelo Banco Central para o cadastramento das chaves.

Desta forma, para garantir a segurança dos usuários, o acesso requer autenticação. Essa autenticação é a mesma do aplicativo do banco. Assim, ela pode ser realizada por meio de senha, reconhecimento biométrico, facial, ou quaisquer outros métodos que assegure que o acesso está sendo feito pelo titular da conta.

Cadastrar uma chave PIX é bastante simples. Basta acessar o aplicativo da instituição bancária e encontrar o ícone do sistema PIX. Essas chaves podem ser o CPF ou CNPJ, número do telefone celular, e-mail ou uma chave aleatória. Além disso, pagamentos podem ser realizados por meio de QR Code.

É possível haver cobrança de tarifas?

O PIX trouxe muitas facilidades aos brasileiros. Isso se deve ao fato de todas as operações serem realizadas diretamente pelo aplicativo. Além disso, a gratuitidade do sistema atrai a atenção de novos usuários todos os dias. Entretanto, existem duas situações onde pessoas físicas podem ser tarifadas. Veja quais são:

  • Ao realizar o pagamento para empresas por meio do PIX, presencialmente ou por telefone. Contudo, isso só deve ocorrer quando existir a opção de efetuar o pagamento por meios eletrônicos.
  • Também devem ser tarifados vendedores que são pessoas físicas. Se configura atividade comercial o recebimento de mais de trinta pagamentos com PIX mensalmente. Essas operações podem ser tanto por meio de QR Code estático ou alguma das chaves PIX. Apesar disso, a tarifa só é aplicada a partir da 31ª transação.

Veja as diferenças entre o PIX e os demais sistemas de pagamento.

Não existe valor mínimo ou máximo para pagamentos e transferências realizadas via PIX. Apesar disso, as instituições possuem liberdade para estabelecer um limite máximo de valores. Isso pode ocorrer para evitar possíveis fraudes. Entretanto, é possível que os usuários solicitem ajustes nos limites oferecidos pelas instituições, que devem atender a solicitação.

O PIX ainda possui algumas vantagens em relação aos antigos métodos de pagamento. Diferente do TED ou DOC, o pagador não precisa saber todos os dados do recebedor, como o banco ou número da conta bancária. Basta preencher a chave da pessoa que deseja transferir o dinheiro ou utilizar o QR Code.

Além disso, o PIX facilita também a vida de pequenos empreendedores brasileiros. Desta forma, não é necessário possuir uma máquina de cartão. Se o objetivo for a venda de produtos no débito, torna-se muito mais simples o pagamento por meio do celular.

Ademais, o valor da transferência via PIX fica disponível na conta em poucos segundos, diferente das compras com cartão, onde os recursos só são disponibilizados ao recebedor dois dias após a efetuação do pagamento.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.