Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Pandemia: Instituições sugerem ações para fortalecer a educação

O Movimento Todos pela Educação e a Human Rights Watch Brasil divulgaram várias recomendações ao governo federal para fortalecer as políticas públicas para educação durante a pandemia. 

Segundo as entidades, é necessário destinar recursos de maneira estratégica para garantir o acesso e evitar a evasão escolar, principalmente por segmentos severamente atingidos pela pandemia, como negros, indígenas e crianças e adolescentes das áreas rurais.

De acordo com o Todos pela Educação, em 2020 o governo federal preservou um orçamento de R$ 48,2 bilhões para a educação básica, mas o valor executado ficou em R$ 35,2 bilhões, o menor em 10 anos.

As duas organizações realçam a necessidade de disponibilizar vacinas para funcionários da educação em todo o país.

Os profissionais da área foram incluídos no plano de operacionalização da vacinação contra o novo coronavírus e passaram a receber doses dos imunizantes. 

Defesa da volta às aulas e investimento em educação

As instituições defendem o uso de indicadores claros para o fechamento das escolas que considerem os riscos de transmissão do novo coronavírus e padrões baseados em evidências para decidir a volta das aulas fisicamente. 

Elas também pedem uma campanha de “volta às aulas” visando um retorno gradual e seguro, oferecendo apoio às famílias cujas crianças e adolescentes tenham dificuldades para isso.

O documento também pede que o Executivo federal apoie estados e municípios com menores condições no fornecimento de equipamentos de proteção individual para os profissionais da educação.

Outra ação listada é o apoio ao acesso à internet de alunos. As fundações citam pesquisa do Instituto Datafolha segundo a qual antes da pandemia 4 milhões de crianças e adolescentes não possuíam acesso à internet.

Para elas, o governo federal precisa: “adotar medidas para garantir internet acessível, confiável e estável, incluindo medidas direcionadas para fornecer acesso gratuito e equitativo, assim como dispositivos capazes de apoiar o conteúdo educacional básico para crianças e adolescentes que ainda não podem assistir às aulas presencialmente”.

Além disso, as organizações  lembram que segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020, 16,6% das crianças em casas com renda de até meio salário mínimo não tiveram acesso à educação. 

Em contrapartida o índice foi de 3,9% em lares com renda de mais de quatro salários mínimos.

Não deixe de ler também – Home office e homeschooling na pandemia: os dois lados da moeda

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.