Malha fina do IRPF: Confira se você ficará SEM a restituição

A Receita Federal anunciou recentemente o lançamento de dois projetos de suma importância para os contribuintes, visando aprimorar a fiscalização e o cumprimento das obrigações tributárias.

O primeiro destaque vai para o lançamento do tão aguardado “Manual da Malha Fina do IRPF” (Imposto de Renda Pessoa Física), que visa fornecer diretrizes claras e orientações sobre as principais questões que podem levar um contribuinte a cair na temida malha fina.

Além disso, a Receita Federal apresentou a “Nova Malha Digital“, um projeto inovador que utiliza tecnologias avançadas, como inteligência artificial e análise de dados em larga escala, para aprimorar o processo de fiscalização.

Com essa nova abordagem, a Receita será capaz de cruzar informações de forma mais rápida e precisa, identificando inconsistências e indícios de irregularidades nas declarações dos contribuintes.

Assim, para esclarecer mais sobre esse processo, além de explicar detalhadamente como conferir se você caiu na malha fina do IRPF, organizamos esse texto. Além disso, você vai saber o que fazer nessas situações.

Vale ressaltar que, é de suma importância que os contribuintes estejam atentos a essas novas medidas implementadas pelo órgão. Afinal, elas podem ter um impacto significativo em suas vidas financeiras.

Portanto, continue essa leitura com a gente.

Por que algumas pessoas ficam sem a restituição do Imposto de Renda?

Malha fina do IRPF
Receita Federal divulga o Manual da Malha fina do IRPF. Imagem: CRC-CE.

Ao realizar a declaração do Imposto de Renda, é fundamental que todas as informações fornecidas sejam precisas, completas e verídicas, sem qualquer tipo de omissão ou erro.

A Receita Federal, como mencionamos, tem acesso a diversas bases de dados e realiza cruzamentos de informações para garantir a exatidão das declarações.

Assim, caso seja identificado que um contribuinte deixou passar alguma informação relevante ou cometeu erros, ele poderá ser incluído na chamada “malha fina” do IRPF.

Além disso, essa situação pode ocorrer caso a pessoa tenha dívidas em aberto ou deixado de quitar algum débito devido.

Nesse caso, a declaração fica retida e o cidadão precisa corrigir os erros ou fornecer informações adicionais para regularizar sua situação.

Por isso, a Receita Federal oferece esse manual de orientações para auxiliar os contribuintes e informá-los sobre a malha fina do IRPF.

“O manual lançado é uma iniciativa de assistência à Pessoa Física que caiu na malha. Levamos clareza ao contribuinte sobre como corrigir ou apresentar documentos para atender a situações identificadas pela Receita.” Afirmou, Andrea Costa, que ocupa o cargo de subsecretária de Fiscalização da Receita Federal brasileira.

Você pode se interessar em ler também:

Como saber se eu caí na malha fina do IRPF?

Se encontrar nessa situação pode trazer consequências significativas para o contribuinte. Quando isso ocorre, a restituição do imposto fica retida, bloqueada temporariamente.

Todavia, a gravidade pode ser ainda maior, podendo levar ao bloqueio do CPF do cidadão até que as correções necessárias sejam realizadas.

Além disso, é possível ainda que seja iniciada uma investigação judicial contra a pessoa caso sejam identificados indícios de sonegação de informações ou dados incorretos.

Para verificar se a declaração está retida na malha fina e identificar o motivo da retenção, o contribuinte pode acessar o e-CAC (Centro de Atendimento Virtual) da Receita Federal.

Confira o passo a passo abaixo:

  1. Primeiramente, acesse o e-CAC através do site da Receita Federal;
  2. Em seguida, faça o login utilizando suas credenciais de acesso;
  3. Procure pela opção “Meu Imposto de Renda (Extrato da DIRPF)”;
  4. Na aba “processamento” ou “Serviços do IRPF”, selecione o item “pendências de malha”;
  5. Nesse espaço, é possível verificar se a declaração está retida na malha fina e também identificar o motivo da retenção.

Caso a retenção esteja relacionada a erros de preenchimento ou falta de informações na declaração, é necessário corrigir esses equívocos através do envio de uma declaração retificadora.

Dessa forma, o contribuinte poderá regularizar sua situação junto à Receita Federal e evitar problemas futuros.

É importante destacar que essa mesma consulta pode ser realizada no portal que o cidadão escolheu para enviar a declaração do IRPF, como o programa baixado no computador ou o aplicativo específico para esse fim.

A atenção aos detalhes e a correção de informações na declaração são fundamentais para evitar cair na malha fina e garantir um processo tranquilo de restituição, caso seja devida.

Por fim, você pode acessar AQUI o Manual da Malha Fina do IRPF, que oferece orientações sobre o que deve ser feito nessa situação.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.