Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Guerra Civil Espanhola: O que estudar sobre esse conflito

A Guerra Civil Espanhola começou em 1936 e terminou em 1939. Contudo, para entender a fundo esse conflito é importante entender o contexto da época.

Esse período da história espanhola poderá aparecer em provas de vestibulares, assim como no Enem. Por isso, vale a pena ficar ligado, acompanhe!

Guerra Civil Espanhola – Contexto Histórico

A Espanha viveu sob a ditadura de Miguel Primo Rivera de 1923 a 1930. Seu governo possuía viés autoritário e nacionalista.

Ademais, pregava a perseguição a comunistas e anarquistas, além do poder centralizado nas mãos do Estado.

Entretanto, Miguel Rivera acabou renunciando em 1930, entregando o poder aos militares do rei Afonso XIII que pretendia a volta da monarquia parlamentarista e constitucional em toda a Espanha.

Dessa forma, organizaram novas eleições para 1931, no entanto, houve uma onda de perseguição a comunistas e anarquistas por parte da elite conservadora espanhola, influenciados pela vertente católica do país.

Denominada como Segunda República, instaurou-se em 1931 pelo líder Niceto Alcalá-Zamora. O país enfrentou um grande conflito ideológico, acirrando-se até meados de 1936

Conflito Ideológico

No ano de 1936, a República Espanhola passa a ser liderado por Manuel Azaña Diaz, e nomeando como primeiro-ministro o socilista Largo Caballero.

A insatisfação popular com a II República levou a direita política e os conservadores ao golpe de Estado. Embora, diferente do golpe realizado por Rivera nos anos 20, a direita teve que enfrentar a resistência do PCE – Partido Comunista Espanhol e do movimento anarquista.

Com esse cenário que formaram-se os dois grupos de combate da Guerra Civil Espanhola, de um lado a Frente Popular (Esquerda) e do outro o Movimento Social (Direita) lideradas pelo general Francisco Franco.

Franquismo

Franco como era conhecido o general teve inspiração no fascismo italiano e no nazismo alemão para compor sua concepção política.

Dessa maneira, os chamados “Franquistas” eram contrários ao liberalismo e a democracia, pois acham que esses modelos não cabiam na realidade espanhola da década de 30.

Por esses motivos, durante a guerra civil, os franquistas tiveram apoio dos fascistas. Por outro lado, a Frente Popular recebeu apoio dos internacional dos comunistas, principalmente da União Soviética.

Ambos os lados recebiam armamento e equipamentos de guerra e até mesmo soldados treinados. A saber, o conflito contou com voluntários de diversos cantos do mundo.

A Guerra Civil Espanhola destruiu boa parte das principais cidades do país. A disputa mostrou ao mundo um prefácio do que ainda estava por vir com a Segunda Guerra Mundial.

Por fim, em 1939 o Movimento Nacional liderado pelo general Francisco Franco ganha o conflito, encerrando então em 1939 a Guerra Civil Espanhola e estabelecendo-se no poder até 1975. Nesse mesmo ano, foi restaurada a monarquia parlamentarista, modelo ativo até os dias de hoje.

E então, gostou de conhecer mais sobre o tema? Ele pode surgir nas provas de história de diversas maneiras, portanto, não deixe de estudá-lo.

Leia outro artigo interessante – Operação Barbarossa: Entenda sua importância na Segunda Guerra

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.