Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Governo libera R$ 2,61 bilhões para universidades federais

Nesta sexta-feira (14) houve um anúncio do Ministério da Economia acerca da liberação de R$ 2,61 bilhões para universidades federais.

De acordo com a pasta, os recursos devem auxiliar na recomposição do orçamento de gastos discricionários. Isto é, aqueles considerados não obrigatórios.

Entretanto, vale dizer que mesmo que sejam gastos discricionários, engloba-se também as despesas necessárias para o bom funcionamento de serviços públicos.

Contas de luz, telefone, internet, água, material de escritório, combustíveis, manutenção de prédios e de equipamentos entram nesses gastos essenciais.

Além disso, especificamente falando de universidades, a concessão de bolsas consiste também em uma despesa discricionária.

A saber, o Diário Oficial da União publicou no último dia 13 que o crédito suplementar de R$ 18,7 bilhões vai avaliar os cofres de diversos órgãos e ministérios. Muitos foram afetados pelo contingenciamento (bloqueio temporário) de recursos, anunciado no fim de abril.

Cortes anunciados na Educação pelo governo

Logo após a sanção do Orçamento de 2021, o governo anunciou o contingenciamento de R$ 9,2 bilhões e o veto de R$ 19,8 bilhões em gastos. Os cortes foram necessários para garantir a execução de despesas obrigatórias que haviam sido remanejadas para emendas parlamentares.

Nesse processo, o Ministério da Educação teve cerca de R$ 3,5 bilhões cortados: R$ 2,73 bilhões bloqueados temporariamente e R$ 1,2 bilhão vetados. Quase a totalidade dos cortes, na ocasião, referiam-se a verbas para o ensino superior, com a alegação de que as universidades não estavam funcionando presencialmente durante a pandemia de covid-19.

Instituída pelo Artigo 167 da Constituição, a regra de ouro estabelece que o governo só pode emitir dívida pública para rolar (renovar) a própria dívida ou para cobrir despesas de capital, como investimentos em obras públicas e amortizações. Para cobrir gastos correntes, como os citados anteriormente, o governo precisa pedir autorização do Congresso.

O Orçamento de 2021 prevê insuficiência de R$ 434,8 bilhões para cumprir a regra de ouro, mas a quantia pode ser reduzida para R$ 125,7 bilhões com o uso de parte dos lucros do Banco Central nos últimos anos, devoluções do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Tesouro e pagamentos de dividendos de estatais.

Para evitar a paralisação de serviços públicos, o governo precisará pedir autorização ao Congresso Nacional nesse montante (R$ 125,7 bilhões) para custear determinados programas com títulos da dívida pública. Com a publicação da portaria, o governo antecipou a liberação dos recursos antes da votação pelo Congresso.

E então, o que achou da notícia?

Não deixe de ler também – Fies: Guedes diz que fala sobre filho de porteiro era crítica a universidades privadas

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.