Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

FGTS 2021: Pagamentos de abril a julho podem ser parcelados

Recentemente, uma medida provisória foi divulgada, possibilitando algumas mudanças nas condições trabalhistas, tendo em vista a crise decorrente da pandemia do coronavírus. Entre essas mudanças, está o parcelamento do FGTS.

A MP em questão permite que empregadores depositem a porcentagem obrigatória de seus funcionários na conta de fundo, referentes aos meses de abril, maio, junho e julho de 2021, nos meses de maio, junho, julho e agosto de 2021, respectivamente.

Próximos pagamentos

A medida provisória é mais uma inciativa do pacote de contenção aos efeitos da pandemia. Sendo assim, ela trouxe condições para melhorar vida de empregados e empregadores.

Dessa forma, mesmo que o adiamento do pagamento das parcelas do FGTS tenha sido permitido, as empresas devem se atentar para que o mesmo seja efetuado futuramente.

Adiamento do depósito do FGTS

Essa ação só pode ser executada:

  • Independentemente do número de empregados;
  • Do regime de tributação;
  • Da natureza jurídica;
  • Do ramo de atividade econômica;
  • Ou adesão prévia.

Como funciona na prática?

Neste sentido, a empresa que optar por essa medida, terá o direito de pagar as parcelas de abril, maio, junho e julho de 2021, de forma parcelada, sem quaisquer incidências de multas e outros possíveis encargos, sendo realizadas em até quatro parcelas mensais.

O período para o vencimento se inicia em setembro deste ano, especificamente, na data do recolhimento mensal devido.

Declaração

A empresa que aderir esta ação é obrigada a fazer uma declaração das informações até o dia 20 de agosto de 2021. Caso o empregador descumprir essa exigência, o pagamento do FGTS será considerado atrasado, visando o pagamento integral do benefício mais as multas obrigatórias e os encargos.

Além disso, os débitos ficam suspensos da contagem estabelecida de outras dívidas relativas aos depósitos no FGTS, pelo prazo de 120 dias contados a partir da data de publicação da medida provisória.

Leia também: FGTS: Quando o saque emergencial será liberado? Veja a previsão

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.