Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Descubra o que é o conceito de ecologia profunda

Entenda do que se trata essa teoria

A ecologia profunda, um movimento iniciado pelo filósofo norueguês Arne Næss em 1972, postula duas ideias principais.

A primeira é que deve haver uma mudança do antropocentrismo centrado no homem para o ecocentrismo, no qual cada ser vivo é visto como tendo um valor inerente, independentemente de sua utilidade.

Em segundo lugar, que os humanos são parte da natureza em vez de superiores e separados dela e, portanto, devem proteger toda a vida na Terra como protegeria sua família ou a si mesmo.

Embora tenha se baseado nas ideias e valores de eras anteriores do ambientalismo, a ecologia profunda teve uma influência significativa no movimento mais amplo, enfatizando as dimensões filosóficas e éticas. Ao longo do caminho, a ecologia profunda também ganhou sua cota de críticos, mas suas premissas fundamentais permanecem relevantes e instigantes hoje, nesta era de dupla biodiversidade e crises climáticas.

Princípios de Ecologia Profunda

Næss concebeu dois tipos de ambientalismo. Ele chamou de “movimento ecológico raso”. Este movimento, disse ele, “está preocupado com a luta contra a poluição e o esgotamento de recursos”, mas com seu objetivo central “a saúde e a riqueza das pessoas nos países desenvolvidos”.

Veja os oito princípios da ecologia profunda:

1) O bem-estar e o florescimento da vida humana e não humana na Terra têm valor em si mesmos (sinônimos: valor inerente, valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes da utilidade do mundo não humano para propósitos humanos.

2) A riqueza e a diversidade das formas de vida contribuem para a realização desses valores e também são valores em si mesmas.

3) Os humanos não têm o direito de reduzir essa riqueza e diversidade, exceto para satisfazer necessidades vitais.

4) A interferência humana atual no mundo não humano é excessiva e a situação está piorando rapidamente.

5) O florescimento da vida humana e das culturas é compatível com uma diminuição substancial da população humana. O florescimento da vida não humana requer tal diminuição.

6) As políticas devem, portanto, ser alteradas. As mudanças nas políticas afetam as estruturas econômicas, tecnológicas e ideológicas básicas. O estado de coisas resultante será profundamente diferente do presente.

7) A mudança ideológica consiste principalmente em valorizar a qualidade de vida (habitar em situações de valor inerente) em vez de aderir a um padrão de vida cada vez mais elevado. Haverá uma profunda consciência da diferença entre grande e grande.

8) Os subscritores dos pontos anteriores têm a obrigação direta ou indireta de participar na tentativa de implementação das alterações necessárias.

Não deixe de ler também – Pegada Ecológica: Entenda essa área da ecologia

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.