Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Atualidades: soluções para a crise alimentar que se aproxima

A Revolução Verde é transformadora, mas também criou problemas

A Revolução Verde lançou as bases para uma era subsequente de plantações geneticamente modificadas, globalização da agricultura e ainda maior domínio dos gigantes do agronegócio no sistema alimentar.

Hoje, os consumidores muitas vezes estão desconectados das pessoas que cultivam seus alimentos e de como eles são cultivados. E, embora a produção tenha aumentado, também aumentou o número de pessoas subnutridas e com doenças relacionadas à dieta, pois os alimentos processados continuam a substituir frutas frescas, vegetais e grãos inteiros.

O domínio do agronegócio concentrou mais terras nas mãos de grandes corporações, muitas vezes levando ao deslocamento rural. Muitos pequenos proprietários, que não conseguem mais viver da agricultura, migram para as áreas urbanas.

Muitas comunidades rurais permanecem na pobreza e sofrem os efeitos da exposição a produtos químicos, visto que as pragas resistentes a pesticidas e a degradação do solo exigem insumos químicos cada vez mais fortes.

O mundo agora enfrenta outra crise alimentar iminente. Em 2050, a população global deverá chegar a 9,8 bilhões de pessoas. Uma nova Revolução Verde pode alimentar todos eles?

Talvez, mas exigirá intervenções bem diferentes das primeiras. Hoje, há preocupações cada vez mais urgentes sobre as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade e os impactos da conversão de ainda mais florestas, pastagens, pântanos e outros sumidouros de carbono para a agricultura.

Soluções Tecnológicas

Os caminhos para atender às necessidades alimentares mundiais divergem consideravelmente. Existem novas ferramentas tecnológicas para ajudar a reduzir o desperdício e limitar as emissões de carbono.

Os sistemas de dados podem determinar tudo, desde que tipos de safras devem crescer em diferentes condições climáticas e de solo até o plantio, irrigação e épocas de colheita ideais.

Alguns apoiam fazer ajustes na atual revolução do “gene” para aumentar sua sustentabilidade: biotecnologia, a modificação genética de plantas e micróbios benéficos para aumentar a produtividade sem consumir mais terra, reduzir pesticidas e fertilizantes químicos e projetar plantas mais resistentes aos impactos climáticos.

Agroecologia

Outros estão clamando por uma revolução agrícola completamente diferente. Visando a restauração ecológica e a equidade, os defensores das práticas regenerativas e agroecológicas imaginam um sistema alimentar que se distancia da agricultura industrial e se direciona aos métodos tradicionais que ganharam força em resposta à Revolução Verde.

Esses métodos adotam práticas agrícolas tradicionais e indígenas como alternativas à monocultura com uso intensivo de produtos químicos.

Eles incluem a conservação dos recursos naturais, a construção da saúde do solo e a melhoria da biodiversidade, junto com a restauração da posse da terra tradicional e a reclassificação dos direitos humanos e do bem-estar nos sistemas agrícolas.

A agroecologia está ganhando popularidade à medida que o mundo enfrenta as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade e busca um sistema alimentar mais justo, mas o domínio da agricultura industrial torna a implementação em larga escala um desafio.

As respostas à próxima crise alimentar iminente provavelmente incorporarão tanto novas abordagens tecnológicas quanto métodos agroecológicos.

E então, o que achou do artigo? Compartilhe com quem precisa saber disso!

Não deixe de ler também – Atualidades: Como o desperdício de alimentos afeta o meio ambiente?

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.