Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Atualidades: Mudanças climáticas e caça ilegal ameaçam várias espécies de plantas

Atualmente, no entanto, há uma nova geração de caçadores predatórios que não estão interessados em animais selvagens ou paquidermes. Eles estão interessados em plantas ameaçadas de extinção, sobretudo algumas espécies de suculentas. 

Na África do Sul, por exemplo, os caçadores ilegais de plantas tem como um dos pontos favoritos para exercer esta atividade predatória no RichTersveld Transfrontier Park.

Uma das plantas que mais atraem caçadores furtivos para Richtersveld, é a Aloe pearsonii, que possui caules delgados e fileiras simétricas de folhas alinhadas verticalmente. 

O botânico responsável pelo viveiro do parque, Pieter van Wyk, disse que 85% da população de Aloe pearsonii do RichTersveld desapareceu nos últimos cinco anos. 

Como muitas espécies de plantas crescem em pequenas áreas, um caçador furtivo poderia exterminar uma espécie inteira de uma só vez.

A caça furtiva de plantas ameaçadas de extinção é ilegal, contudo, é mais fácil de realizar.

Lucro com a caça ilegal de plantas

Segundo as estimativas de van Wyk, a caça ilegal de plantas pode ser mais lucrativa do que a indústria de chifres de rinoceronte do país. A África do Sul, para se ter uma ideia, é o lar de quase um terço da oferta mundial de suculentas.

Para muitas pessoas essa caça é surpreendente, assim como quem realiza essa atividade. Todavia, alguns especialistas relatam que esse fato pode estar ligado à crescente popularidade de plantas domésticas nas redes sociais. 

Para se ter uma ideia, somente no TikTok a #PlantTikTok tem mais de 3,5 bilhões de visualizações, tal fato pode contribuir para o mercado ilegal de suculentas raras. 

Outro culpado são os colecionadores radicais que procuram espécimes raros. De forma mais ampla, a popularidade das suculentas cresceu vertiginosamente desde 2007. 

Suculentas são o principal alvo

Uma pesquisa de 2017 da Garden Center Magazine descobriu que as suculentas representavam 15% das vendas de centros de jardinagem no meio-oeste dos EUA.

Quando se trata de caça furtiva, é um problema global. Em abril de 2020, um cidadão americano ligado a uma loja de cactos de Los Angeles foi preso na África do Sul por caça furtiva de 8.000 espécimes da espécie suculenta Conophytum, ameaçada de extinção. 

No início deste de 2021, dois sul-coreanos foram presos na África do Sul por caçar 60.000 espécimes da mesma espécie colhidos ilegalmente . 

Em fevereiro de 2020, as autoridades italianas receptaram US$1,2 milhão em cactos furtivos originários do Chile na “Operação Atacama”. As 1.000 plantas raras foram devolvidas ao Chile.

Mudanças climáticas

Mas a geração do milênio e os colecionadores são apenas um problema muito pequeno em um ecossistema muito maior. 

Afinal as suculentas raras não estão sendo devastadas apenas por caçadores ilegais: cada vez mais, elas também estão sendo devastadas pelas mudanças climáticas.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas prevê um aumento médio da temperatura na região de Richtersveld entre 6,1 graus e 7,5 graus, com o clima se tornando mais seco e ventoso em geral. 

“Quanto mais quente fica, mais plantas aquáticas precisam para sobreviver”, disse Nick Helme, um consultor botânico na Cidade do Cabo. Ele completou afirmando: “Mas menos chuva significa que há menos água no solo”.

Junto com os poderosos ventos costeiros que muitas vezes sopram a camada superficial do solo e as plantas para o mar, ou seja, isso significa um desastre para as espécies.

A menos que uma ação rápida seja tomada para impedir a caça ilegal e as mudanças climáticas, a paisagem pode ser rapidamente modificada. 

E então, gostou de saber um pouco mais sobre o assunto? Não deixe de ler também – Biologia: o que é seleção artificial e as desvantagens?

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.