Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Atualidades: Derretimento do gelo marinho atrai baleias assassinas

Esses animais têm passado mais tempo no Oceano Ártico

As orcas, que popularmente são conhecidas como baleias assassinas, têm passado mais tempo no Oceano Ártico devido ao derretimento do gelo marinho.

As Orcinus orca são predadoras inteligentes e adaptáveis. Elas vão onde está a comida e se juntam para derrubar a presa. Encontradas regularmente nas águas do sul do Alasca e raramente vagam pelo Ártico dos Estados Unidos, onde a água é normalmente coberta de gelo e eles correm o risco de ficarem presos.

No entanto, agora que há menos gelo marinho no oceano Ártico, as baleias estão se aventurando com mais frequência nas águas que antes evitavam, de acordo com novas pesquisas.

Brynn Kimber, pesquisadora da Universidade de Washington, apresentou suas descobertas no recente 181º Encontro da Acoustical Society of America. O resumo foi publicado no The Journal of the Acoustical Society of America.

“Identificar os padrões de movimento das espécies é vital tanto na conservação quanto em nosso entendimento geral do mundo natural. O Ártico e as áreas ao redor dele são alguns dos mais produtivos do mundo, mas também estão passando por muitas mudanças rápidas, então monitorar as espécies que vivem lá (sazonalmente e durante todo o ano) é de vital importância”, disse Kimber.

“As baleias assassinas há muito se aventuram sazonalmente no Ártico, normalmente apenas durante a estação de águas abertas, quando não há risco de aprisionamento de gelo. À medida que a extensão anual do gelo diminui, há mais oportunidades para as baleias assassinas se aventurarem ainda mais no Ártico”.

Ao contrário das belugas, baleias-da-cabeça-roxa e narvais , as baleias assassinas têm uma barbatana dorsal. Isso torna difícil para eles quebrar blocos de gelo para criar orifícios para respirar. 2

“Sem a capacidade de quebrar o gelo, as baleias assassinas se arriscam a ficar presas no gelo, onde essencialmente ficam presas na cobertura de gelo, incapazes de escapar até que sufoquem ou morram de fome”, diz Kimber. “Para evitar esse destino horrível, as baleias assassinas não seguem suas presas em regiões cobertas de gelo. Em vez disso, eles aproveitam os muitos locais de alta produtividade no Ártico onde suas presas podem se reunir, geralmente perto da borda dos blocos de gelo.”

Kimber ressalta que as baleias assassinas são predadoras extremamente eficientes. Eles podem ter um impacto dramático no número de presas e no comportamento do predador, visto que outros animais os evitam. Isso pode afetar a forma como suas presas se alimentam e criam seus filhotes, entre outros comportamentos. 2

“O potencial das baleias assassinas para perturbar as teias alimentares do Ártico definitivamente existe, então eu queria seguir o padrão do movimento das baleias para ver o quanto esse problema pode ser uma possibilidade”, diz Kimber.

Afetando o Ecossistema

Com as baleias assassinas passando mais tempo do que o observado anteriormente no oceano Ártico, pode haver todos os tipos de impactos em seus ecossistemas.

“Eles são predadores muito eficientes e podem atacar uma grande variedade de espécies, desde lontras marinhas até baleias cinzentas. Algumas dessas espécies são usadas para pressão de predação de baleias assassinas, mas as espécies residentes no Ártico estão acostumadas a ter cobertura de gelo para se proteger”, diz Kimber.

“As baleias Bowhead são uma preocupação especial, visto que estão em perigo e também uma importante fonte de alimento para os caçadores de subsistência. Outra pesquisa observou um aumento de cicatrizes em baleias-da-cabeça-branca como resultado de ataques de baleias assassinas, sugerindo que as baleias assassinas podem estar cada vez mais se ramificando para espécies do Ártico como fonte de alimento. Quaisquer mudanças na dinâmica da rede alimentar podem, é claro, ter mudanças em cascata em um ecossistema”.

Não deixe de ler também – Banco Central: a importância da sustentabilidade na economia 

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.