Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Amansando o leão: reforma tributária tem texto editado

Foram feitas algumas concessões, mas outras "mordidas" permaneceram

Para destravar o crescimento econômico do país e permitir que ele tenha mais condições aos negócios e investimentos, algumas reformas estruturais são necessárias. Entre elas, a reforma do sistema tributário é uma das mais focadas por empresários e investidores.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou na manhã desta terça, 20, que acredita na aprovação das reformas tributária e administrativa ainda neste ano. Mas fez ressalvas sobre o que considera “exagero” do Ministério da Economia na formulação da reforma tributária com previsão de aumento de impostos. “Se chegar aumentando a carga tributária, eu veto”, disse.

A segunda parte da reforma tributária

No último dia 25, Paulo Guedes, Ministro da Economia, entregava a segunda parte da proposta da reforma ao Congresso para aprovação, apresenta mudanças no Imposto de Renda para pessoas físicas, e prometendo taxar dividendos e investimentos. Naquele dia, o índice da Bolsa de São Paulo caiu 1,97%, revertendo os ganhos que havia conseguido durante a semana. Isso refletia o profundo desagrado que a proposta da reforma causou.

A proposta, por conter medidas que avançavam nos bolsos de empresários e investidores, foi vista como um projeto de caráter eleitoreiro, para garantir mais fundos no pleito de 2022. Entidades de classes moveram abaixo-assinados contrários às novas medidas sugeridas por Guedes.

Assim, nos dias que se sucederam, Guedes, Arthur Lira (PP-AL) e Celso Sabino (PSDB-PA), o relator do projeto no Congresso, se encontraram com empresários, presidentes de bancos e investidores, para ouvir os pontos de vista sobre o texto da reforma. Essa ação democrática foi muito importante para a melhora do projeto.

A proposta reescrita

Uma nova versão do texto da reforma foi apresentado nesta última terça-feira, dia 13.  A medida de maior impacto no relatório é a redução da alíquota geral do Imposto de Renda para pessoas jurídicas. Sabino propõe que, para empresas com lucros de até R$ 20 mil por mês, dos atuais 15%, passariam para 5%, em 2022, e 2,5%, a partir de 2023. Já a taxação do Imposto de Renda para empresas com lucros acima de R$ 20 mil cai dos atuais 25% para 12,5%

Em outra alteração, desta vez visando o mercado financeiro de investimentos, o governo abre mão de criar a taxa de 15% para os fundos de investimentos imobiliários (FII), atualmente isentos de impostos. Com essa notícia, a bolsa, que estava em queda, fechou com alta de 0,45%.

As concessões aos contribuintes causarão a redução de 30 bilhões de reais na arrecadação anual. Guedes acredita que a melhora gradual na atividade econômica compense as perdas. “Isso não está nos preocupando agora, pois só de o PIB (Produto Interno Bruto) voltar ao nível de antes da pandemia já veio uma arrecadação de 100 bilhões de reais acima do previsto”, disse ele durante uma live, na quarta-feira, dia 14, conforme noticiado pela revista Veja, que entrou em circulação dia 16.

A bem vinda revisão, no entanto, manteve em pauta um ponto polêmico, que é a recriação do imposto de 20% sobre os dividendos, uma taxação abolida em 1996. O motivo para esta alteração seria forçar as empresas a reinvestir seus lucros. Os técnicos do Ministério da Economia e da Receita Federal costumam afirmar que essa cobrança já é feita em países desenvolvidos, como nos Estados Unidos e na França.

Essa tributação de dividendos pode atingir em cheio investidores que alimentam as empresas com capital, e assumem essa posição porquê e esperam obter parte dos lucros, e comprometer a lucratividade sobretudo no setor de serviços, o que mais apanhou na pandemia.

As classes empresariais se manifestam

Alguns dizem que essa medida pode incentivar o aumento de tentativas de driblar estes impostos, com os donos de empresas preferindo ter seus gastos pessoais e bens pagos pela companhia.

Também, associações empresariais têm cobrado mais estudos antes de que essa cobrança seja aprovada. “A reforma tributária que buscamos deve ter como objetivo deduzir o custo Brasil e trazer racionalidade ao atual sistema”, afirma Humberto Barbato, presidente da Abinee, a Associação da Indústria de Eletroeletrônicos.

A Firjan (Federação dos Industrias do Estado do Rio de Janeiro) posicionou-se dizendo que “apenas com a redução dos gastos públicos e a consequente redução da carga tributária, a indústria nacional terá competitividade suficiente para gerar emprego e renda, tornando o Brasil um país mais forte e justo”.

Outra reinvindicação das classes é que sejam considerados também os impostos que incidem sobre o consumo e a desoneração das folhas de pagamento nas empresas. Esta última, a princípio, seguiria até o fim de 2020, mas foi prorrogada até o final de 2021.

Essa continuidade permitiu maior rentabilidade das empresas e manutenção de empregos, o que foi muito importante nesta fase é de recuperação, devido aos reflexos causados pela pandemia. Se o regime encerrar como previsto, em 2022 as empresas precisarão funcionar considerando o valor da mão de obra pagando mais 20% da folha.

O que dizem especialistas sobre a reforma tributária

O advogado Douglas de Oliveira, especialista em Direito Empresarial e sócio do escritório Oliveira, Vale, Securato & Abdul Ahad Advogados, concedeu entrevista ao site EXAME IN. Ele chama atenção para os negócios que serão prejudicados, caso o texto se mantenha como está.

“As empresas de serviços prestados às famílias (como prestadoras de serviços de saúde e educação) sofrerão tributação do Imposto de Renda e também sobre o lucro. Devem sofrer um impacto importante e esse segmento tem peso expressivo na economia. Serviços é o setor que mais sofreu durante a pandemia de Covid-19”, afirma o especialista.

Serviços respondem por 63% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e 68% do emprego, segundo relatório da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Em 2020, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB teve retração de 4,1%; o setor serviços caiu 4,5%, o pior resultado da história, em função das quarentenas.

Para o advogado, essas decisões devem ser analisadas com cuidado porque “se o governo muda regras é porque precisa arrecadar. E não há um estudo apropriado do impacto da tributação de dividendos”. Oliveira foca na possível intenção do governo ao taxar os dividendos:

“Fica claro que o governo quer induzir as empresas a não distribuírem seus lucros, estimulando que sejam retidos na atividade produtiva”, pondera o especialista que considera essa ideia passível de crítica, “pois além de implicar em verdadeiro intervencionismo econômico, parte da premissa de que todos os negócios são igualmente eficientes”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.