Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

4 mulheres que mudaram a educação no Brasil

Conheça os nomes que provocaram uma verdadeira revolução

A presença das mulheres na educação, de diversas maneiras, precisa ser sempre recordada e celebrada. Conheça nomes femininos marcantes!

Nísia Floresta Brasileira Augusta (1810 e 1885)

Um dos símbolos do feminismo em uma época em que as mulheres não podiam estudar formalmente. Esteve à frente na luta para igualdade de oportunidades entre mulheres e homens.

Sua vivência em um convento de carmelitas em Pernambuco, abriu portas para o amor à literatura. Tornou-se escritora e educadora, tendo publicado 15 livros e artigos acerca dos direitos femininos.

Em 1838, fundou um dos primeiros centros educacionais para a instrução de meninas, o Colégio Augusto, no Rio de Janeiro.

Adélia Sigaud (1840)

Sem dúvida, uma das maiores referências brasileiras quando o assunto é educação inclusiva. Cega desde criança, Adéle Marie Louise Sigaud foi a primeira brasileira a aprender a ler pelo método Braille.

Engajou-se não só na defesa das mulheres na educação, mas também em pautas cruciais para os povos indígenas e escravos.

Foi Adélia – seu nome aportuguesado á época – que motivou Dom Pedro II a fundar o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, no qual se tornou professora.

Armanda Álvaro Alberto (1892 – 1967)

Se hoje os brasileiros podem ter acesso à educação pública, gratuita e laica, deve-se ao trabalho realizado por Armanda Álvaro Alberto.

Em 1921, ela encabeçou a fundação da Escola Proletária de Meriti. Essa foi a primeira instituição a ter uma biblioteca à disposição dos alunos e a oferecer merenda gratuita.

É algo que pouca gente conhece, mas que foi crucial para a inclusão de milhões de brasileiros no sistema educacional, apesar de atualmente ainda enfrentarmos dificuldades.

Rosalina Coelho Lisboa Larragoiti (1900 – 1975)

Jornalista e poetisa, Rosalina Coelho foi a primeira brasileira enviada ao exterior em 1932 para uma missão de cunho intelectual.

Participou do comitê de responsável pela aprovação e regulamentação da radiodifusão educativa no Brasil. Era a única mulher a integrar o grupo.

Não deixe de ler também: Empresa aborda 3 desafios para educação em 2022 

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.