Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

República Oligárquica: tudo o que você precisa saber!

República Oligárquica: um resumo para as suas provas!

A República Oligárquica é um dos períodos mais importantes de toda a história brasileira.

Assim, não é de se surpreender que esse assunto apareça com uma frequência tão grande nas principais provas do país.

Questões abordando esse tema aparecem principalmente no ENEM. Assim, é fundamental que você domine as principais características que envolvem esse assunto para garantir um bom desempenho na prova de humanidades.

E é justamente por isso que o artigo de hoje trouxe um resumo com tudo aquilo que você precisa saber!

A República Oligárquica: Introdução e definição

Marcada pela alternância de poderes entre os estados de São Paulo e Minas Gerais, a República Oligárquica ocorreu entre os anos de 1894 e 1930.  

O termo oligarquia é originário do grego e significa “governo de poucos”. Dessa forma, as oligarquias governam para pequenos grupos e famílias, muitas vezes unidos por uma atividade econômica ou partido político. Elas desprezam outras formas de pensar e podem ocorrer mesmo em governos democráticos.   

A República Oligárquica: Contexto Histórico 

Também chamada de República do Café com Leite, já que nesse período os presidentes eleitos eram do Partido Republicano Paulista (PRP) ou do Partido Republicano Mineiro (PRM). Os dois estados tinham atividades rurais como meio econômico principal.

Na época, os partidos eram estaduais e o único que fazia frente aos dois que comandavam o país era o Partido Republicano Rio-Grandense (PRR), que embora tentasse desequilibrar a balança, defendia as classes urbanas gaúchas e as oligarquias rurais do seu estado. 

A República Oligárquica: Características

Na época, uma prática muito comum era o Voto do Cabresto, onde eram assegurados votos através de fraudes eleitorais, troca de favores e imposição do voto.

Aqueles que exerciam essa prática eram os chamados coronéis. Embora esse fosse só um apelido, já que eles não eram de fato coronéis do exército, a prática também ficou conhecida como coronelismo. 

É importante destacar que a população em geral não estava satisfeita com os governantes. Um exemplo disso é que houveram diversas revoltas na época como a Revolta da Vacina, a Guerra do Contestado ou a Revolta do Forte de Copacabana. 

A República Oligárquica: Declínio

A industrialização no país contribuiu, junto com as revoltas populares, para o fim da República Oligárquica, com greves e reivindicações por direitos e mais espaço na política nacional por parte de empresários e operários.  

Em 1930 o período de oligarquias chega ao fim. Getúlio Vargas, candidato derrotado nas eleições de 30, impede a posse do candidato eleito Júlio Prestes, provocando uma revolução e alterando a maneira de governar no país. 

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.