Fique por dentro: Saiba o que é o rotativo do cartão e quais as propostas de mudança do governo

Os cartões de crédito rotativos são uma forma de crédito oferecida pelos bancos aos seus clientes. Quando o consumidor não paga o valor total da fatura do cartão, o banco automaticamente faz um empréstimo para cobrir o saldo devedor. Esse valor em aberto é cobrado na fatura do mês seguinte, acrescido dos juros. Caso o cliente não consiga pagar a fatura seguinte, os bancos geralmente oferecem opções como uma linha de crédito ou parcelamento do valor, porém, com juros mais altos.

Taxas Abusivas nos Cartões de Crédito Rotativos

No Brasil, a modalidade de crédito rotativo é conhecida por suas taxas abusivas. De acordo com dados do Banco Central, os juros rotativos do cartão de crédito alcançaram 445,7% ao ano em julho, representando um aumento de 8,7 pontos percentuais em relação ao mês anterior. Em junho, a taxa era de 437,0%, enquanto no mesmo período do ano passado, os juros estavam em 394,93%.

Essas taxas elevadas tornam o crédito rotativo uma das formas mais caras de empréstimo disponíveis no país. A cobrança desses juros exorbitantes pode levar muitos consumidores a uma situação de endividamento descontrolado, comprometendo sua saúde financeira.

Propostas para Reduzir as Taxas de Juros Rotativos

Diante desse cenário, o governo brasileiro tem buscado formas de reduzir as taxas de juros rotativos e tornar o crédito mais acessível para a população. Diversas propostas estão sendo discutidas, com o objetivo de limitar os juros e baratear o crédito. Algumas das opções em debate são:

Fim do Parcelamento Sem Juros

Uma das propostas é acabar com a modalidade de parcelamento sem juros. Essa ideia foi mencionada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. No entanto, essa medida não agradou a população, pois poderia levar a uma queda na adesão ao cartão de crédito. Muitos consumidores utilizam o parcelamento sem juros como uma forma de diluir o valor das compras no cartão ao longo do tempo, sem a necessidade de arcar com juros adicionais.

Limitação das Parcelas Sem Juros

Outra proposta em discussão é a limitação do número de parcelas sem juros. Isso também gera preocupação, pois poderia prejudicar os consumidores que dependem dessa opção para realizar compras de maior valor. Limitar as parcelas sem juros poderia restringir o acesso ao crédito e impactar negativamente o consumo.

Limite de 100% para os Juros Rotativos

O deputado Alencar Santana Braga propôs a limitação dos juros rotativos em 100%. No entanto, essa limitação entraria em vigor apenas se os bancos não encontrassem uma solução alternativa dentro de um prazo de 90 dias. Essa proposta visa incentivar os bancos a encontrarem formas de oferecer crédito mais acessível sem a necessidade de intervenção governamental.

Poder do CMN para Limitar a Taxa

Uma última proposta em discussão é dar ao Conselho Monetário Nacional (CMN) a responsabilidade de limitar a taxa de juros rotativos. Essa medida daria mais autonomia ao CMN para regular o mercado de crédito e buscar soluções que beneficiem tanto os consumidores quanto as instituições financeiras.

É importante ressaltar que todas essas propostas estão em fase de discussão e ainda não há uma definição sobre qual medida será adotada. O governo está analisando os diferentes cenários e levando em consideração o impacto que cada proposta pode ter na economia e na vida dos consumidores.

Os cartões de crédito rotativos são uma forma de crédito oferecida pelos bancos aos seus clientes. No entanto, as altas taxas de juros cobradas nessa modalidade tornam o crédito rotativo uma opção cara e que pode levar os consumidores a uma situação de endividamento.

Diante desse cenário, o governo brasileiro está discutindo propostas para reduzir as taxas de juros rotativos e tornar o crédito mais acessível. Entre as opções em debate estão o fim do parcelamento sem juros, a limitação das parcelas sem juros, a imposição de um limite de 100% para os juros rotativos e a atribuição ao CMN do poder de limitar a taxa.

É fundamental que essas medidas sejam cuidadosamente avaliadas, levando em consideração o impacto que terão na economia e na vida dos consumidores. A busca por soluções que equilibrem o acesso ao crédito e a saúde financeira dos brasileiros é essencial para promover um ambiente econômico mais justo e sustentável.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.