Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Entidade brasileira lança mentoria para estudantes de Angola

O Descomplica, a primeira edtech do Brasil a adentrar o mercado de ensino superior, criou um programa de mentoria para assegurar a capacitação de jovens estudantes angolanos para o mercado de trabalho. 

O projeto tem vigência inicial de três meses e será realizado em parceria com a Nguzu, entidade com foco na conexão dos ecossistemas de educação e inovação das nações de língua portuguesa, e a Jobartis, maior portal de empregos de Angola. 

O CEO da companhia, Marco Fisbhen diz que a iniciativa marca o novo ciclo de crescimento da instituição, por conta da oportunidade oferecida ao Descomplica para dar o primeiro passo em direção a um novo mercado.  

Para entender a aceitação da educação brasileira em Angola, o workshop será dividido em três fases. 

Três fases do programa

Na primeira, a Jobartis fará a seleção de 1.000 candidatos, de diferentes classes sociais, idade, gêneros, religião e orientação sexual.  

Elas terão acessos gratuitos aos cursos livres do Descomplica

  • Introdução a Gestão do Tempo; 
  • Planejamento de Carreira; 
  • Ferramentas para Produtividade; 
  • Autoconhecimento e Valores e Cultura.

“Além de potencializar diferentes competências e habilidades em estudantes e trabalhadores em formação, vamos promover educação de qualidade e acessível à uma população que anseia por desenvolvimento e capacitação profissional, visando incentivar que a população ativa angolana esteja melhor preparada para integrar o mercado de trabalho. Na etapa dois, 250 alunos serão selecionados para as mentorias no Bootcamp da Jobartis, que consiste na realização de treinamentos práticos que aumentam as oportunidades de conquistar um emprego”, afirma.

No fim do projeto, os melhores alunos do curso participarão do programa Startup Way, elaborado pela Nguzu visando fomentar a liderança e o empreendedorismo local. 

Ou seja, os estudantes que se destacarem durante o programa terão todo o apoio necessário para criar equipes e estudar casos práticos de Angola.

A organização incentiva a capacitação de empreendedores de impacto e o estímulo de novos empreendimentos em conjunto com vários players do ecossistema, como por exemplo 

  • Startups; 
  • Scale-ups;
  • Hubs de inovação; 
  • Corporate; 
  • ONGs; 
  • Entidades públicas ou instituições de ensino.

Não deixe de ler também – Home office e homeschooling na pandemia: os dois lados da moeda

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.