Dinheiro esquecido: Qual a nova forma de resgate?

Dinheiro esquecido: Qual a nova forma de resgate?

Fique por dentro das atualizações do SVR

Se você ainda não acompanhou o mais recente comunicado do Banco Central (BC) sobre o tal “dinheiro esquecido”, é interessante acompanhar o texto até o final.

A saber, o Sistema de Valores a Receber (SVR), ferramenta a partir da qual o cidadão verifica se tem algum valor a receber de instituições financeiras, passa por mudanças.

A partir de agora, é necessária a validação em duas etapas (2FA) para ampliar a segurança dos cidadãos.

Assim, o usuário que tem valores a receber acima de R$100 deverá acessar o sistema utilizando a ferramenta desenvolvida pelo Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) para solicitar o resgate desses valores (seleção de chave Pix).

Consulta ao dinheiro esquecido

Na prática, o SVR é um serviço do Banco Central no qual se pode verificar se pessoas físicas, empresas ou pessoas falecidas têm dinheiro esquecido em algum banco, consórcio ou outra instituição e, caso tenham, saber como solicitar o valor.

“Atualmente, temos mais de 155 milhões de brasileiros com uma conta gov.br. Precisamos continuar trabalhando para garantir a segurança das informações e dos dados de todos os brasileiros, e esta parceria com o Banco Central é fundamental para isso porque é o primeiro serviço a exigir esta funcionalidade de segurança”, disse o secretário de Governo Digital, Rogério Mascarenhas.

Aliás, antes desta medida, o 2FA era uma funcionalidade que a Secretaria de Governo Digital (SGD) tornou disponível para ampliar a segurança de acesso dos usuários ao gov.br.

Segundo o secretário, outros serviços terão esta exigência.

“Queremos evitar fraudes e golpes, estamos alinhados ao que de melhor tem sido feito em termos de segurança da informação”, afirmou Mascarenhas.

O que muda na prática?

Cabe salientar que para usar o 2FA, é necessário estar logado a partir do aplicativo instalado em seu celular. Em seguida, será necessário acessar o item “Segurança da Conta”, ir em “Verificação em duas etapas” e depois em habilitar.

Assim, a cada novo acesso será possível gerar um código no aplicativo gov.br para confirmar a identidade de quem está fazendo o login. A habilitação está disponível tanto na tela de acesso quanto na tela principal do aplicativo.

“O 2FA é a funcionalidade, ativada pelos usuários, que confere maior segurança aos usuários do sistema: a cada novo login no sistema, o usuário deve digitar o código de verificação informado no aplicativo gov.br. O Banco Central é pioneiro na exigência do duplo fator de autenticação para prestação de serviço, uma vez que nenhum outro sistema do governo federal obriga os usuários a ativarem o 2FA para acionarem funcionalidades”, destaca João Paulo Resende Borges, do Departamento de Atendimento Institucional do BC.

Ainda mais, caso o usuário não tenha logado com o duplo fator de autenticação e, mesmo assim, tente resgatar um dinheiro esquecido acima de R$100, o sistema orientará sobre a ativação do 2FA ou vai indicar a necessidade de procurar a instituição para receber o valor.

Com informações do Banco Central

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.