Diário de menino sobre rotina na quarentena é transformado em livro

Com apenas oito anos, Yalle Tárique encontrou na escrita um modo de driblar o tédio durante o período longe da escola

Como forma de driblar o tédio, a tristeza e a ansiedade, Yalle Tárique, de apenas oito anos, resolveu retratar seus dias na quarentena em um diário.

Morador de Salvador, na Bahia, passou a colecionar relatos e publicá-los no Instagram. Atualmente, sua página na rede social possui mais de 1.400 seguidores. A partir dessa fama, foi notado pela Fliquinha, o espaço infantil na Flica (Festa Literária Internacional de Cachoeira – Bahia).

A organização do evento o convidou para reunir suas confissões no livro “Diário de uma Quarentena – o dia a dia de uma criança na pandemia”. O lançamento da obra estaria marcada para acontecer em 2021.

Começou com carta para tio com Covid-19

A primeira oportunidade que Yalle encontrou para escrever foi quando seu tio se infectou peo novo coronavírus e ficou internado em estado grave. Lhe escreveu uma carta desejando sua recuperação.

“Na carta, disse que ele iria vencer essa doença, e, realmente, foi isso que aconteceu”. Logo após, Yalle notou que as palavras tinham poder. Assim, passou a contar o que se passava em sua rotina e quais suas sensações diante do isolamento durante a pandemia.

“Nós, crianças, estamos muito entediadas nessa quarentena, então ficamos agoniadas, nervosas, isso é normal. (…) Tenham paciência e evitem se exceder com os pequenos, mesmo que eles tirem vocês do sério”, escreveu o garoto em sua primeira postagem no Instagram.

A mãe de Yalle, Rebeca, disse que se sentiu tocada pelo relato do filho. “Naquele momento, pude perceber o quanto tudo estava sendo pesado para ele. Nós, adultos, pensamos que só a gente está percebendo o que está acontecendo, e acabamos negligenciando os sentimentos das crianças”, revelou.

Em fase de revisão, o livro deixou Yalle bastante animado. Contudo, o menino garante que não se tornar escritor não é seu objetivo. “Meu sonho é ser médico. Sempre gostei de ajudar as pessoas. O coronavírus, claro, reforçou essa vontade. Se os médicos conseguirem controlar o vírus, nós vamos poder voltar ao normal.”

De acordo com o garoto, a primeira coisa que fará após a pandemia: “ir à praia e abraçar todo mundo.”

Leia mais – Educação: Diário virtual escrito por estudantes na quarentena vira livro impresso

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.