Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Concurso SMPU Belo Horizonte-MG 2019 tem comissão formada!

Em Minas Gerais, a Secretaria Municipal de Política Urbana (SMPU) de Belo Horizonte vai abrir um novo edital de concurso público (Concurso SMPU Belo Horizonte MG 2019) em breve. A pasta formou a comissão organizadora do certame, que terá provimento para diversos cargos, sendo boa parte de nível superior.

Segundo a portaria publicada no dia 31 de julho, a comissão do concurso vai ficar responsável pela elaboração do edital do processo seletivo e submetê-lo à aprovação da Procuradoria Geral do Município (PGM). Após isso, uma banca organizadora deverá ser contratada.

Onovo concurso vai contar com vagas para os cargos de arquiteto/engenheiro, economista/engenheiro Civil, geógrafo, advogado, analista de sistemas e assistente administrativo. A seleção tem como objetivo viabilizar a conclusão dos projetos de governo e obrigações legais da Secretaria Municipal de Política Urbana.

Prefeitura prepara concurso para Educação

No Estado de Minas Gerais, a Prefeitura de Belo Horizonte vai abrir um novo concurso público (Concurso Prefeitura de Belo Horizonte MG 2019) para Educação. O município avançou com os preparativos para o novo concurso da pasta. No momento, segundo informações da assessoria, o certame está em fase de escolha da banca.

Foi publicado no Diário Oficial do município, edição do dia 30 de janeiro, a comissão organizadora responsável pelo certame. O edital tem expectativa de ser divulgado para Professor de Educação Infantil e Bibliotecário.

A comissão organizadora do concurso da Prefeitura de Belo Horizonte-MG contará, ao todo, com nove servidores. O grupo de trabalho deverá planejar, acompanhar e fiscalizar os documentos do concurso, além de apresentar o edital à Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, para analise do documento.

No mês de abril do ano passado, a prefeitura da capital formou comissão organizadora para o cargo de Professor de Educação Infantil. No entanto, o processo foi revogado em decorrência da mudança no nível de escolaridade do cargo, que antes exigia apenas o nível médio completo. A exigência do cargo fazia com que os salários tivessem diferenciação em relação aos docentes de ensino fundamental e médio, que exigiam nível superior.

O prefeitura da cidade, Alexandre Kalil, aceitou que os ganhos dos professores de Ensino Infantil fossem equiparados aos outros colegas da classe. Com isso, a lei sancionada exigiu que seria necessário nível superior em Pedagogia ou Normal Superior como requisito também para o cargo de Professor de Educação Infantil.

Concurso também deve ser aberto para Fundação Cultura

No dia 14 de maio, foi publicado no Diário Oficial de Belo Horizonte, Minas Gerais, uma recomendação do Conselho Municipal de Política Cultura para que um novo concurso público para efetivos seja realizado pela Fundação Municipal de Cultura. Além disso, a pasta solicitar a criação de uma comissão para o certame.

“Recomenda ao órgão gestor de cultura a realização do concurso público para o quadro efetivo da cultura e a criação da comissão para estudos do concurso como definido nas conferências de cultura e Plano Municipal de Cultura”, informa o texto.

A Fundação Municipal de Cultura (FMC) chegou a abrir um edital de concurso público em 2017, mas o certame foi cancelado. A última seleção para servidores foi divulgada em 2008. Segundo informações da gerência de apoio do COMUC, mais de 100 servidores já deixaram o órgão.

De acordo com o Conselho, essa carência deverá ser preenchida através de aprovados no próximo concurso públicos. Agora, os órgãos competentes e a Secretaria de Planejamento vão avaliar a viabilidade de um novo edital. Até o omento, a Prefeitura ainda não se manifestou.

Ao site Folha Dirigida, a FMC informou que há dois anos, a pasta contava com 169 profissionais. Eles atuam na sede administrativa, como também nas mais diversas unidades culturais, em toda a sua estrutura. O então presidente da FMC, Leônidas José de Oliveira, revelou o ambiente de trabalho. “O ambiente proporciona um trabalho que não é maçante e repetitivo, mas que dá oportunidade de o funcionário desenvolver sua criatividade”, disse.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.