Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Complementos verbais: conceito e tipos

Complementos verbais

Existem verbos que para terem o sentido completo na oração precisam de um termo que o complete o sentido. Chamamos esse termo de complemento verbal.

Para entender melhor, pense em verbos como “comprar”, “precisar”, “fazer”. Agora imagine alguém dizendo a você “Eu comprei”. Qual será a sua reação? Provavelmente, você perguntará “Comprou o quê?”, não é?

Confira a seguir os tipos desses complementos temos na língua portuguesa.

Objeto direto

O objeto direto é o complemento dos verbos transitivos diretos. Esses verbos pedem complemento sem preposição. Ou seja, o objeto direto não pode ser introduzido por preposição.

Observe:

Tereza comprou um carro.

Primeiramente, lembre-se de localizar o verbo da oração (comprou). Isso deve ser feito, pois é a partir do verbo que localizaremos seu complemento. Localizado o verbo, procure o termo que o completa o sentido. Nesse exemplo, o termo que complementa o sentido do verbo é “um carro”. Note que “um carro” não é introduzido por uma preposição (de, para, com, em, etc.). Logo, o termo “um carro” é objeto direto do verbo “comprou”.

Objeto indireto

O objeto indireto é o complemento dos verbos transitivos indiretos, que são os verbos que pedem complemento com preposição. Logo, o objeto indireto sempre será introduzido por uma preposição.

Ex.:

Rafaela concordou com Antônia.

Perceba que o verbo “concordar” pede um complemento. Pois quem concorda concorda com algo ou alguém. Não é mesmo? Agora perceba também que o complemento exigido por esse verbo vem acompanhado de uma preposição (com). Portanto, “com Antônia” é objeto indireto.

Como diferenciar os dois complementos verbais?

A melhor forma de diferenciar o objeto direto do objeto indireto é analisando se o verbo pede preposição ou não. Além disso, é bom também você verificar o contexto, pois a predicação de alguns verbos pode mudar.

Agora, você deve estar se perguntando como analisar se o verbo pede preposição. Isso é bem fácil e funciona como se estivéssemos questionando o verbo. Confira:

Quem compra compra algo.

Quem precisa precisa de algo.

Quem faz faz algo.

Quem concorda concorda com algo (ou com alguém).

Perceba que em alguns casos teremos uma preposição antecedendo o termo “algo”, e em outros o termo algo aparecerá sozinho (sem preposição). Simples assim:

Sem preposição = objeto direto

Com preposição = objeto indireto

 

Gostou do texto? Deixe seu comentário e faça-nos sugestões sobre as dúvidas que você tem referentes ao uso da língua portuguesa.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.