Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Banco Central divulga riscos econômicos ao redor do cenário central

O Banco Central divulgou os riscos econômicos ao redor do cenário central. Confira alguns pontos relevantes para a economia nacional!

Conforme informações oficiais do Banco Central (BC), as projeções centrais envolvem uma série de riscos. O Copom, em sua 241ª reunião, ressaltou os riscos abaixo relacionados, através do Relatório Oficial de Inflação, divulgado pelo BC.

Conforme o relatório do BC, por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento recente nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário básico.

Banco Central divulga riscos ao redor do cenário central

Por outro lado, reforça o documento, novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco do país. 

Risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos

O relatório indica que apesar da melhora recente nos indicadores de sustentabilidade da dívida pública, o risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária.

Também pode ser mencionada, como risco para cima, uma percepção do mercado de que a normalização da política monetária nos EUA iniciaria mais cedo ou ocorreria em ritmo mais acelerado, o que poderia afetar o preço de ativos domésticos, ressalta o documento do Banco Central.

A inflação será afetada de forma significativa pela evolução da bandeira de energia elétrica

Por fim, o relatório ressalta que a inflação ao longo do horizonte de projeção será afetada de forma significativa pela evolução da bandeira de energia elétrica.

Ademais, no cenário externo, observam-se dois fatores adicionais de risco para o crescimento das economias emergentes. O primeiro fator se refere às reduções nas projeções de crescimento das economias asiáticas, refletindo a evolução da variante Delta da Covid 19.

Por conseguinte, o segundo fator diz respeito ao aperto das condições monetárias em diversas economias emergentes, em reação a surpresas inflacionárias recentes, informa o BC, se referindo a instabilidade do consumo no cenário atual.

Ambiente favorável para países emergentes por conta dos  estímulos monetários de longa duração 

 No entanto, os estímulos monetários de longa duração e a reabertura das principais economias ainda sustentam um ambiente favorável para países emergentes. 

Assim sendo, o Comitê mantém a avaliação de que questionamentos dos mercados a respeito dos riscos inflacionários nas economias avançadas podem tornar o ambiente desafiador para países emergentes.

Evolução positiva para a atividade econômica nacional 

No que diz respeito à atividade econômica brasileira, a divulgação do PIB do segundo trimestre, assim como os indicadores mais recentes, continua mostrando evolução positiva. Assim sendo, o relatório do BC informa que o cenário nacional não enseja mudança relevante para o cenário prospectivo, o qual contempla recuperação robusta do crescimento econômico ao longo do segundo semestre, ressalta o relatório oficial do Banco Central. 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.