Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

4/5 - (1 vote)

Auxílio emergencial impediu queda de 23,5 milhões para a pobreza

Programas emergenciais do governo durante a pandemia diminuíram desigualdade temporariamente

O auxílio emergencial de R$ 600 e demais programas do governo para enfrentar a pandemia do novo coronavírus diminuíram temporariamente a desigualdade no Brasil. Estudo verificou que esses programas foram responsáveis pro evitar a queda de 23,5 milhões de brasileiros para a pobreza.

Além disso, 5,5 milhões de brasileiros tiveram a renda aumentada com o auxílio do governo. O impacto total é de pelo menos 29 milhões de cidadãos. Sem essas ações, a desigualdade no Brasil teria crescido.

O estudo foi feito por Rogério Jerônimo Barbosa, da Universidade de São Paulo (USP), e Ian Prates, do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). O Boletim Mercado de Trabalho, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulga os efeitos do auxílio, do corte de salário e da redução de jornada de trabalho. Essas medidas foram adotadas durante o governo Bolsonaro, em abril. O auxílio atende quase 66 milhões de brasileiros.

Quando o auxílio foi criado, em abril, ele seria pago durante três meses. Em seguida, foi prorrogado para mais dois meses e atualmente tem custo de R$ 254,2 bilhões. Já a redução de jornada com corte de salário foi feito para auxiliar trabalhadores formais e, até agora, foram fechados mais de 16 milhões de acordos. O programa foi prorrogado para durar quatro meses; antes, seriam três para redução e dois para suspensão. O programa tem custo de R$ 51,6 bilhões.

Em nota do Ipea, foi informado que, sem esses tipos de benefícios, a desigualdade brasileira teria aumentado “de modo constante e rápido”. Por causa da pandemia, muitos brasileiros foram forçados a parar de trabalhar ou a trabalhar menos tempo e, por isso, perderam renda. De acordo com boletim da Rede de Pesquisa Solidária, a renda média domiciliar per capita era de R$ 1.441 em 2019. Neste ano, o valor caiu para R$ 1.191. Sem o auxílio emergencial, cairia para R$ 1.081.

4/5 - (1 vote)

Veja o que é sucesso na Internet:

8 Comentários
  1. Noeci Soares de Lima Diz

    Eu estou até hoje sem receber nada sai do analis depois de 4 mes e entrei no caixa tem fãs um mês e até agora tem nada e assim tem milhares de pessoas isso é um roubo um tapa na cara do povo

  2. Adalberto Diz

    O onix falou q ninguem ñ iaq ficar sem receber auxilio…eu fiquei estou sem emprego desde março..e a dataprev e ancaixa falam q. Estou com emprego formal..ele deviam me pagar poq.eles devem ter assinado a minha carteira e eu ñ sei

  3. Matias Rodrigues Pereira Diz

    Bolsonaro é 10000

  4. Matias Rodrigues Pereira Diz

    Esse dinheiro já era nosso só devolveram

  5. 24051996 Diz

    Uai se criarem oportunidade de emprego o país não estava nessa crise

  6. 24051996 Diz

    Se eles não cumprirem só a população que está precisando do auxílio simplesmente fazerem ingual a eles não vamos cumpre com o nosso dever de não votar vamos crumar os braços

  7. 24051996 Diz

    Eles falam que fazem leis e para serem cumpridas né . Então senhores faça valer as leis que fizeram do decreto até 31 de dezembro

  8. Claudio Ribeiro dos santos Diz

    Rapaz, não quero saber, mais de desgraça de auxílio emergencial nem um não rapaz.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.