Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Atualidades: Efeitos do álcool no organismo

O álcool pode ter vários efeitos biológicos e comportamentais no corpo. Pessoas que consomem álcool até a intoxicação costumam experimentar o que é conhecido como ressaca.

A saber, as ressacas resultam em sintomas físicos e mentais desagradáveis, incluindo fadiga, dor de cabeça, tontura e vertigem.

Efeitos diretos do álcool

O álcool pode contribuir diretamente para a ressaca de várias maneiras, incluindo as seguintes:

Desidratação e desequilíbrio eletrolítico

O álcool faz com que o corpo aumente o débito urinário (ou seja, é um diurético). O álcool promove a produção de urina ao inibir a liberação de um hormônio (ou seja, hormônio antidiurético ou vasopressina) da glândula pituitária.

Por sua vez, níveis reduzidos de hormônio antidiurético impedem os rins da reabsorção (isto é, conservação) de água e, assim, aumentar a produção de urina.

Suores, vômitos e diarreia também ocorrem comumente durante uma ressaca e essas condições podem resultar em perda adicional de fluidos e desequilíbrios eletrolíticos.

Os sintomas de desidratação leve a moderada incluem sede, fraqueza, ressecamento das membranas mucosas, tontura e vertigem – todos comumente observados durante uma ressaca.

Distúrbios gastrointestinais

O álcool irrita diretamente o estômago e os intestinos, causando inflamação do revestimento do estômago (ou seja, gastrite) e esvaziamento gástrico retardado, especialmente quando bebidas com alta concentração de álcool (ou seja, maior que 15 por cento) são consumidas.

Altos níveis de consumo de álcool também podem produzir fígado gorduroso, um acúmulo de compostos de gordura chamados triglicerídeos e seus componentes (isto é, ácidos graxos livres) nas células do fígado.

Além disso, o álcool aumenta a produção de ácido gástrico, bem como as secreções pancreáticas e intestinais. Qualquer um ou todos esses fatores podem resultar em dor abdominal superior, náuseas e vômitos durante uma ressaca.

Baixo nível de açúcar no sangue

Várias alterações no estado metabólico do fígado e de outros órgãos ocorrem em resposta à presença de álcool no corpo e podem resultar em níveis baixos de açúcar no sangue (ou seja, níveis baixos de glicose ou hipoglicemia).

O metabolismo do álcool leva ao fígado gorduroso(descrito anteriormente) e um acúmulo de um produto metabólico intermediário, o ácido láctico, nos fluidos corporais (isto é, acidose láctica).

Ambos os efeitos podem inibir a produção de glicose. A hipoglicemia induzida pelo álcool geralmente ocorre após consumo excessivo de álcool por vários dias em alcoólatras que não têm se alimentado.

Nessa situação, o consumo prolongado de álcool, aliado à ingestão nutricional deficiente, não apenas diminui a produção de glicose, mas também esgota as reservas de glicose armazenadas no fígado na forma de glicogênio, levando à hipoglicemia.

Como a glicose é a principal fonte de energia do cérebro , a hipoglicemia pode contribuir para os sintomas da ressaca, como fadiga, fraqueza e distúrbios do humor. Os diabéticos são particularmente sensíveis às alterações induzidas pelo álcool na glicose sanguínea.

Entretanto, não foi documentado se as baixas concentrações de açúcar no sangue contribuem para a ressaca sintomaticamente.

Perturbação do sono e outros ritmos biológicos

Embora o álcool tenha efeitos sedativos que podem promover o início do sono, a fadiga experimentada durante uma ressaca resulta dos efeitos perturbadores do álcool sobre o sono.

O sono induzido pelo álcool pode ser de menor duração e qualidade inferior por causa da excitação de rebote, levando à insônia. Além disso, quando o comportamento de beber ocorre à noite, ele pode competir com o tempo de sono, reduzindo assim a duração do sono.

O álcool também perturba o padrão normal de sono, diminuindo o tempo gasto no estado de sonho (isto é, sono de movimento rápido dos olhos e aumentando o tempo gasto em sono profundo (isto é, de ondas lentas).

Além disso, o álcool relaxa os músculos da garganta, resultando em aumento do ronco e, possivelmente, na interrupção periódica da respiração (ou seja, apneia do sono).

E então, você sabia de todos esses efeitos? O artigo pode servir como base para sua redação ou estudos.

Não deixe de ler também – Atualidades: 5 filmes para pensar sobre direitos de crianças e adolescentes

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.