Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Ao lado de Bolsonaro, Guedes pede que servidores públicos não peçam aumento

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu para que o funcionalismo público não peça aumento durante um ano e meio

Na manhã desta segunda-feira (27), após café da manhã com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu para que o funcionalismo público não peça aumento durante um ano e meio por conta da pandemia do novo coronavírus.

“Vamos descentralizar recursos para Estados e municípios e lançar outra camada de proteção aos brasileiros, mas, ao mesmo tempo, com contrapartida. Precisamos que o funcionalismo mostre que está com o Brasil, não vai ficar em casa trancado de geladeira cheia e assistindo a crise, enquanto milhões de brasileiros estão perdendo emprego, eles vão colaborar, vão ficar sem pedir aumento por um tempo, o presidente disse ninguém tira direito, ninguém tira salário, mas por atenção aos brasileiros, não peçam aumento por um ano e meio, contribuam com o Brasil”, disse o ministro.

Ainda pela manhã, em uma entrevista coletiva na saída do Palácio da Alvorada, o presidente Bolsonaro refirmou sua confiança em Guedes. “O homem que decide a economia no Brasil é um só: chama-se Paulo Guedes. Ele nos dá o norte, orientações e o que realmente devemos seguir”, declara Bolsonaro.

Nos últimos dias, havia preocupação do mercado financeiro quanto à permanência do ministro, principalmente depois de o governo federal adotar medidas de combate ao novo coronavírus que vão de encontro à visão liberal do ministro.

Sobre a política econômica do governo, Paulo Guedes afirma que segue firme no que se refere à responsabilidade fiscal. Ele afirmou que os gastos extraordinários feitos pelo governo em decorrência da crise do coronavírus são uma “exceção” na condução da política econômica.

“Queremos reafirmar a todos que acreditam na política econômica que ela segue e a mesma política econômica”, disse Guedes. “Quando há um problema, como de saúde, o presidente fala: ‘Olha vamos par um programa de exceção'”, conclui.

De acordo com o ministro, o País já estava “decolando” quando a crise causada pela covid-19 começou, mas garantiu que dará seguimento às reformas com o apoio do Congresso, e que a economia brasileira vai “surpreender o mundo de novo”.

Governo pode ajudar estados e cidades caso salário de servidores for congelado

Atualmente, o governo negocia com senadores aumentar o auxílio financeiro a estados e municípios para o combate à pandemia da covid-19 em troca do congelamento do salário dos servidores públicos estaduais e municipais durante dois anos.

Paulo Guedes, ministro da economia, informou na última segunda-feira (20) que, a maioria dos senadores concorda com a nova condição. “Se houver contrapartida de Estados, não faz mal subir a ajuda. Todos sabem que não pode virar uma farra eleitoral”, afirmou, em “live” organizada pelo BTG Pactual.

O ministro ainda disse que seria “irresponsabilidade” assinar o projeto de auxílio como aprovado na Câmara, o qual não estabelece limites para a compensação da União às perdas arrecadatórias dos entes federativos. De acordo com o cálculo do governo, o projeto teria impacto de R$ 93 bilhões caso a perda de arrecadação do ICMS (imposto estadual) e do ISS (municipal) fosse de 30% na comparação deste ano com o de 2019. “Como vou assinar algo que pode levar o Brasil a moratória, quebrar a União?”.

“Isso é a contrapartida que tem de ser dada durante a crise. Em meio à pandemia, com pessoas perdendo emprego, será que o funcionalismo poderia contribuir?”, afirma o ministro, defendendo que todo o funcionalismo público fique dois anos sem reajuste de salário.

Apesar de integrantes da equipe econômica defenderem publicamente o congelamento dos salários, o governo não mandou ao Congresso Nacional essa proposta para os servidores federais.

Veja também: Salário mínimo vai passar de R$1.045 para R$1.079 em 2021, prevê governo

Avalie o Texto.
4 Comentários
  1. Eucrezia Fernandes Carlos Diz

    Estou em auxílio doença desde 2017 não tenho mais condições de retorno ao trabalho cada 5 meses tenho que fazer perícia para receber benefícios e agora como vai ficar sem perito no inss vou perde meu benefício que é até 30 de maio.

  2. Anderson Fernandes dos Santos Diz

    Pra não ter aumento de salário também não pode ter aumento dos alimentos e impostos.

  3. Julio cesar Diz

    Ao invés de pedir aos servidores para manter um salário já defasado este Ministro deveria era determinar que os bancos parem de ROUBAR os trabalhadores , os poliqueiros e ministros reduzam os seus MARAVILHOSOS vencimentos e benefícios.

    1. Antonio Galvao Barbosa Diz

      O meu salario ja esta congelado des de 2017 so que o custo de vida nao para de subir.
      E dai quando vier o aumento vem aquela meleca e ai como e que eu faco se eu nao consigo viver de meleca.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.