Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Fator previdenciário continua após reforma e pode mudar sua aposentadoria

A reforma da Previdência alterou regras das aposentadorias. No entanto, não acabou imediatamente com o fator previdenciário


Atenção, trabalhadores. A reforma da Previdência alterou regras das aposentadorias. No entanto, não acabou imediatamente com o fator previdenciário, o índice usado nas aposentadorias por tempo de contribuição para reduzir o benefício de quem se aposenta cedo.

Apesar de ser um redutor, o favor pode ser usado por quem quer fugir da idade mínima estabelecida na reforma. Segundo o Portal UOL, podem utilizar o índice quem entrar na regra de transição do pedágio de 50%, quem já pediu a aposentadoria com o fator e está esperando uma resposta do INSS e quem já tinha atingido os requisitos para se aposentar por tempo de contribuição antes de a reforma começar a valer e ainda não fez o pedido.

Fator Previdenciário

O Fator Previdenciário é um índice utilizado no cálculo da aposentadoria por tempo de contribuição, que exigia ao menos 35 anos de pagamentos ao INSS para homens e 30 anos para as mulheres. Antes, como não havia uma idade mínima para pedir esse tipo de aposentadoria, o fator previdenciário era aplicado, e o valor de quem se aposentava cedo era reduzido.

Por exemplo, para chegar ao valor do benefício, o INSS calculava a média salarial com os 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994 e, depois, aplicava o índice do fator previdenciário, que varia conforme a idade e o tempo de contribuição.

O índice é utilizado em dezembro, todos os anos, considerando, entre outros fatores, a expectativa de vida dos brasileiros. Em geral, o desconto do fator sobe com essa atualização.

Alterações com a reforma

As aposentadorias passaram a ter uma regra única, exigindo idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para os homens, além de 15 anos de contribuição (homens que começaram a trabalhar depois que a reforma entrou em vigor terão que contribuir por 20 anos).

Como há um período de adaptação para essas novas regras, a aposentadoria por tempo de contribuição com o fator previdenciário ainda poderá ser concedida em alguns casos, conforme os tópicos a seguir:

Fez o pedido de aposentadoria e está esperando a resposta

Os segurados que já pediram a aposentadoria pelo fator previdenciário e ainda estão esperando a resposta do INSS terão o benefício calculado com a tabela atual do fator. Nesse caso, como o trabalhador atingiu os requisitos mínimos para aposentadoria antes de a reforma entrar em vigor, será considera a média salarial dos 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994 e, depois, aplica-se o fator.

Já atingiu os requisitos, mas não fez o pedido

Quem atingiu os requisitos mínimos para pedir a aposentadoria por tempo de contribuição pelo fator antes de a reforma começar a valer, mas ainda não fez o pedido de aposentadoria, tem o direito adquirido, ou seja, pode optar por se aposentar pelas regras antigas, se for mais vantajoso. Segundo a presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), Adriane Bramante, nesses casos, a tabela do fator congela na data em que as novas regras começaram a valer. Ou seja, não adianta o trabalhador esperar mais alguns anos para melhorar o fator previdenciário dele.

Entrou na regra de transição

Quem está a apenas dois anos de completar o mínimo de contribuição de 30 anos, se mulher, e 35 anos, se homem, poderá se aposentar sem cumprir idade mínima, após pagar pedágio de 50% sobre o tempo faltante. Se faltam dois anos, por exemplo, terá de trabalhar três anos (50% de dois é um). Podem optar por essa modalidade a mulher que tinha, ao menos, 28 anos de contribuição e o homem com, ao menos, 33 anos até o dia 12 de novembro deste ano. O valor da aposentadoria será igual à média salarial multiplicada pelo fator previdenciário. Porém, essa média será calculada com todos as contribuições, sem o descarte das 20% menores.

*Com informações do portal UOL

Leia Também:

top planilha
7 Comentários
  1. Glória Pinho de Castro Nascimento Diz

    Bom dia . Tenho 58 anos .Sou contribuínte antes de Outubro de 1998. Quando já tinha contribuído.por 10 anos e na época o tempo exigido para mulher era 25anos . Pela regra Transitóriia Eu precisaria contribuir 40% do que faltava para completar os 25 exigidos. Entao faltava ainda 40% de de 15anos, que equivale a 6 anos. Eu trabalhei mais 9 anos. E a idade mínima exigida era 48 anos , sendo que aplicava-se o fator previdenciário , onde eu receberia no mínimo 70 % do valor, pela soma dos meus recebimentos(salários mais altos)
    Dei entrada requerimento em Janeiro/2019 antes da Reforma. Eles negaram e mandaram recorrer. O que Fazer?

  2. Severino Antônio Izaias da costa Diz

    Já peguei 34 anos e 11 meses de contribuição quanto tempo ainda vou ter que contribuí para me aposentar?

  3. Valdecir salgado Diz

    Bom dia tenho 53anos de idade e 31 anos de carteira assinada e nesse meio tempo entre os anos de 1998 a 2010 trabalhei como vigilante armado já posso pedir minha aposentadoria já tenho os dois ppps deste tempo trabalhado como vigilante?

  4. José arteiro Diz

    Boa tarde eu queria saber o seguinte hohe estou com 33 e 5 meses de contribuiçao quanto completa 35 de contribuiçao eu mim aposento com salario atual eu tenho perda auditiva com laudo moderada

    1. Flávio Diz

      Se o laudo e do INSS vc já poderia ter aposentado confirme lei complementar 142 de 2013

    2. Severino Antônio Izaias da costa Diz

      Boa tarde já paguei 34 anos e 11 meses de contribuição quanto tempo ainda vou ter que contribuí para me aposentar?

      1. Sheu Diz

        Entrar na Justiça Federal é a melhor coisa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.