Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Estudo aponta que o maior problema para universitários negros é a dificuldade financeira

Uma pesquisa realizada na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) mostrou  que a dificuldade financeira é uma das maiores questões que causam empecilho e problemas para a continuação dos estudos de universitários negros.

Segundo dados do relatório Raça, gênero e saúde mental, resultado de uma pesquisa elaborada pelo Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (Gemaa) da Uerj, entre os universitários pardos e pretos,  37% dos homens e 36% das mulheres abandonam seus cursos por problemas financeiros.

Desse modo, as questões financeiras e as suas implicações emocionais se colocam como uma das maiores complicações para os estudos de universitários negros.

A pesquisa que resultou no relatório foi realizada a partir de dados de 124 mil estudantes de 65 instituições federais de ensino superior. Além disso, são dados datados em 2018.

Nesse sentido, o levantamento mostrou ainda que, em 2018, cerca de 58% dos universitários negros brasileiros possuíam renda de até 1,5 salário mínimo (renda familiar per capta). O número de estudantes brancos com essa renda é inferior, totalizando 36,5%.

Há, entre os estudantes pretos, maior preocupação com o sustento da família, bem como com a manutenção da graduação, que envolve alimentação, materiais, transporte e diversas outras demandas, como ressalta Poema Euristenes Portela, coordenadora da pesquisa.

Fator emocional atinge mulheres

As questões emocionais são consideradas pelas universitárias negras o segundo fator de maior relevância para o abandono dos cursos de ensino superior.

Assim, conforme o levantamento da Gemaa, enquanto 24% das mulheres pretas e pardas afirmam que o fator emocional é o que mais as atinge após a questão financeira, entre as estudantes brancas o percentual é de 29%.

Já entre os universitários homens pretos e brancos, o fator emocional não foi citado como problema para continuação dos estudos. Assim, a questão emocional foi considerada principal fator de desistência entre estudantes mulheres.

As informações são do UOL.

Gostou deste texto? Então deixe seu comentário!

Clique aqui para acompanhar mais notícias da área da Educação.
Veja também Pesquisas revelam os impactos da pandemia na educação.

Estudantes brasileiros encontram dificuldade para permanência em universidades portuguesas

Leia Também:

PENSAR CURSOS brasil 123

2 Comentários
  1. Luigy Diz

    Não só para os negros, para os brancos também…

  2. Luigy Diz

    Não só para os negros, para muitos brancos também, não é mesmo?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?